Ana Costa – PELOS CAMINHOS DO SOM – Uma homenagem a MARTINHO DA VILA | 2015, Biscoto Fino

Ana Costa canta com propriedade o repertório de seu padrinho musical, Martinho da Vila, no projeto Pelos caminhos do som – uma homenagem a Martinho da Vila, que está sendo lançado em CD e DVD, numa parceria da Zambo com o Canal Brasil, com distribuição da Biscoito Fino. Esse é o primeiro registro ao vivo da carreira da cantora e compositora, que tem uma trajetória musical consagrada, com três álbuns lançados entre 2006 e 2014. Gravado em Março no Imperator – Centro Cultural João Nogueira (RJ), no show que agora se transforma em especial de TV, CD e DVD, Ana Costa recebe os convidados Agrião, Alceu Maia, Dirceu Leite, Marcelinho Moreira, Mart´nália, Meninas da Serrinha e Zélia Duncan.

A viagem de Ana Costa pelos caminhos lusófonos do som do compositor fluminense Martinho da Vila teve muitas paradas. Excessivas repetições de números – por questões técnicas – testaram a paciência do espectador que testemunhou no Imperator, no Rio de Janeiro (RJ), a gravação ao vivo de Pelos caminhos do som – Ana Costa canta Martinho da Vila, show que estreou de forma embrionária em outubro de 2013, ganhou corpo em 2014 e foi registrado para edição de CD e DVD em 12 de março de 2015 em apresentação na casa do Centro Cultural João Nogueira, situada no subúrbio da cidade do Rio de Janeiro (RJ).

No entanto, o produto resultante da gravação ao vivo – feita sob a direção de Bianca Calcagni numa parceria das empresas Zambo e MDM que teve coprodução do Canal Brasil – tem tudo para contentar os admiradores de Ana Costa, cantora e compositora carioca que iniciou sua caminhada musical em 1989 e que caiu no samba ao longo dos anos 1990. Inclusive pela beleza do cenário de Iza Valente. Por sua intimidade com a obra de Martinho, abordada por Ana desde que integrava o grupo Coeur Sambá na primeira metade da década de 1990, a cantora soube pegar rotas menos óbvias na viagem pelos caminhos seguidos por compositor que parte do samba para chegar a outros ritmos enraizados nas culturas brasileira e africana.

O norte do roteiro do show – dirigido por Analimar Ventapane – foi o repertório de um álbum pouco ouvido de Martinho, Lusofonia (Sony Music, 2000), disco em que o compositor ressaltou afinidades entre os sons de países que falam a língua portuguesa numa rota que inclui locais africanos como Cabo Verde. Daí a abertura do show ter sido feita com o Semba dos ancestrais (Martinho da Vila e Rosinha de Valença, 1985), após sagaz citação vocal de Salve a mulata brasileira (Martinho da Vila, 1975) pelas backings Jussara Lourenço e Verônica Bonfim. Cabo Verde foi evocado em Dança ma mi criola (Toy Vieira em versão em português de Martinho da Vila, 2000), número agraciado com o charme pop de Mart’nália. Já a escala em Portugal foi feita com o fado Dar e receber (Martinho da Vila, 2005) em número minimalista em que a voz da cantora se afinou com o toque do violão eletroacústico do guitarrista Maurício Massunaga. A propósito: aos 46 anos, Ana Costa está no auge da forma vocal. Sua segurança na interpretação de músicas como Pelos caminhos do som (1989) – feita com a adesão do cavaquinho luminoso de Alceu Maia, parceiro de Martinho na composição – e Odilê, Odilá (Martinho da Vila e João Bosco, 1986) foi show à parte. Um dos pontos altos do show, a lembrança da marota Quer amar mamãe (Martinho da Vila, 1996) – joia da obra de Martinho lançada no único CD do grupo Coeur Sambá e revivida por Ana no seu álbum mais arejado, “Novos alvos” (Zambo Discos, 2009) – atestou a maturação da cantora entre a trama dos tambores do percussionista Daniel Félix. Mesmo quando pegou atalhos mais óbvios para chegar ao público refratário a músicas obscuras, Ana Costa surpreendeu. Seja cantando Disritmia (Martinho da Vila, 1974) somente com a pulsação do baixo de Júlio Florindo, diretor musical do show, seja alternando a cadência de Madalena do Jucú (tema do folclore capixaba em adaptação de Martinho da Vila, 1989), cantada em tons mais suaves, em sintonia com a sutileza da percussão de Daniel Félix. Até a já desgastada Canta canta, minha gente (Martinho da Vila, 1974) teve seu interesse renovado por ter sido o samba escolhido por Ana para cantar com sua parceira Zélia Duncan. De todo modo, o baú de Martinho da Vila guarda muitas pérolas – e Ana Costa soube remexer nesse baú. Foi difícil resistir à cadência bonita do samba-enredo Yayá do Cais Dourado, composto para o desfile da escola de samba Unidos de Vila Isabel no Carnaval de 1969. Outro acerto foi a escolha dos convidados. Sem se preocupar em convidar estrelas populares para a gravação, Ana recebeu nomes afins com o cancioneiro de Martinho. Gente como o cantor, compositor e percussionista Marcelinho Moreira, que entrou em cena com seu reco-reco para fazer duo com a cantora em Filosofia de vida (Martinho da Vila, Marcelinho Moreira e Fred Camacho, 2008), samba que Ana já registrara em seu terceiro e por ora último disco de estúdio, “Hoje é o melhor lugar” (Zambo Discos / Biscoito Fino, 2012). Já Agrião temperou a interpretação de O pai da alegria, samba que compôs com Martinho e que deu título ao álbum lançado por seu parceiro em 1989. Quatro números antes, as Meninas da Serrinha – trio de jongo que resiste nas terras imperiais – reforçou toda a carga de ancestralidade que há em Assim não, Zambi (Martinho da Vila, 1979), momento de toque sócio-político em que Ana Costa recitou o texto (impressionantemente atual) ouvido na voz ascendente de Clementina de Jesus (1901 – 1987) na antológica gravação feita há 36 anos com a participação do próprio Martinho. Enfim, Ana Costa soube transitar com firmeza pelos caminhos do som lusófono de Martinho da Vila em um show/álbum ótimo.
Mauro Ferreira

Ana Costa - PELOS CAMINHOS DO SOM - Uma homenagem a MARTINHO DA VILA (2015 - Biscoto Fino BF 374-2, CD)

  1. SEMBA DOS ANCESTRAIS | Vinheta: SALVE A MULATADA BRASILEIRA 3’18”
    Martinho da Vila e Rosinha de Valença | Martinho da Vila
  2. FAZENDO AS MALAS 2’58”
    Martinho da Vila e Rildo Hora
  3. PELOS CAMINHOS DO SOM 3’46”
    Martinho da Vila e Alceu Maia
    Participação Especial Alceu Maia
  4. FILOSOFIA DE VIDA 4’07”
    Martinho da Vila, Fred Camacho e Marcelinho Moreira
    Participação Especial: Marcelinho Moreira
  5. DISRITMIA 3’23”
    Martinho da Vila
  6. MEU LAIARAIÁ 5’07”
    Martinho da Vila
  7. EX AMOR 4’34”
    Martinho da Vila
  8. CANTA CANTA MINHA GENTE 3’54”
    Martinho da Vila
    Participação Especial: Zélia Duncan
  9. DAR E RECEBER | Vinheta: CANTA CANTA, AMIGO CANTA 4’50”
    Martinho da Vila | Antonio Macedo
  10. CALUMBA | DANÇA MA MI CRIOLA 5’47”
    Elias Diá Kimuezo | Versão: Martinho da Vila
    Toy Vieira | Versão: Martinho da Vila
    Participação Especial: Dirceu Leite e Mart´nália
  11. Ô MORENA COMO É BOM VIAJAR | O PAI DA ALEGRIA 5’56”
    Martinho da Vila e Roque Ferreira
    Martinho da Vila e Agrião
    Participação Especial: Agrião
  12. MADALENA DO JUCÚ 3’29”
    Adaptação: Martinho da Vila
  13. REVERSOS DA VIDA | ASSIM NÃO, ZAMBI 9’07”
    Martinho da Vila | Martinho da Vila
    Participação Especial: Meninas da Serrinha
  14. NÊGO, VEM CANTAR 2’15”
    Martinho da Vila
  15. TRAÇO DE UNIÃO 3’18”
    Martinho da Vila e João Bosco
  16. LUSOFONIA 3’31”
    Martinho da Vila e Elton Medeiros

Produção: Zambo
Coprodução: Canal Brasil e MDM
Distribuição: Biscoito Fino sob licença de Zambo
Direção Geral: Bianca Calcagni
Direção Artística: Analimar Ventapane
Assistente de Direção Artística: Dandara Ventapane
Produção Executiva: Zambo
Coordenação Executiva: Bianca Calcagni
Assistentes de Produção: Jacqueline Martins, Luciana Magoulas e Verônica Pinheiro
Direção de Vídeo: Darcy Burgüer
Direção Musical: Julio Florindo
Roteiro: Ana Costa e Analimar Ventapane
Arranjos: Ana Costa e Julio Florindo
Técnico de som: Luiz Carlos T. Reis e Vinicius Geria
Roadie: Nilson Batista
Figurino Ana Costa: Victor Dzenk
Maquiagem: Mariana Lopes
Fotografia: Alice Venturi
Design: Amanda Argolo e Branca Escobar
Participações Especiais: Agrião, Alceu Maia, Dirceu Leite, Marcelinho Moreira, Mart´nália, Meninas da Serrinha e Zélia Duncan

Distribuído por Biscoito Fino sob licença de Zambo Produções e Eventos
Gravado ao vivo no Imperator – Centro Cultural João Nogueira

MÚSICOS

Alceu Maia (cavaco em PELOS CAMINHOS DO SOM)
Alessandro Cardozo (cavaquinho)
Ana Costa (voz e violão)
André Manhães (bateria e tamborim)
Antonio Guerra (teclado)
Daniel Felix (cuíca, caixa, surdo, congas, pandeiro, xequerê e efeitos)
Julio Florindo (baixo)
Jussara Lourenço e Verônica Bonfim (vocal)
Mauricio Massunaga (violão e guitarra)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *