Candeia. Axé! 1978, Atlantic

Uma das mais elogiáveis características deste LP é o alto nível e o sentido profissional da produção. João de Aquino teve a sensibilidade de compreender as intenções de Candeia, deixando-o livre para realizá-las e, para tanto, oferecendo o máximo de apoio técnico. Sem, contudo, relaxar nos cuidados com a forma final, o que resultou em linguagem musical límpida e clara dicção rítmica. Um trabalho vigoroso, muito bonito e muito Candeia.

Com AXÉ!, particularizado na sua discografia pela qualidade da elaboração, Candeia prossegue um trabalho que ainda não conheceu solução de continuidade: prestar testemunho do que viu, vive, sabe e recolheu no universo do samba, da música popular, seu mundo. Quer trazer à luz os anônimos compositores que estão na base da cultura carioca. E o faz com uma consciência social cada vez mais aguda, expressa numa poética a cada dia mais depurada.

Dentro dessa linha de intenções, Candeia incorporou a elepês anteriores Ernani Alvarenga, Anésio, Joâozinho da Pecadora. Dentro dessa mesma perspectiva traz agora a Velha Guarda da Portela, nobre confraria fazendo coro na interpretação de sambas da antiga. Traz figura histórica que jamais gravou antes – Chico Santana, autor do hino da Portela, que com Candeia versa outro compositor histórico, Nelson Amorim, com “Ouço Uma Voz”, de 1931.

Traz Oswaldo dos Santos, o “Alvaiade”, há 20 anos afastado dos estúdios, com quem Candeia versa “Ouro Desça do Seu Trono”, de Paulo da Portela. Com Manacéa versa “Vivo Isolado do Mundo”, de Alcides Dias Lopes, o “Malandro Histórico”. Nos sambas dos anos 30’40, dotados apenas de primeiras partes (já que nos desfiles, as pastoras só a primeira cantavam, cabendo a versejadores de vozes possantes como João da Gente improvisar a partir dessa primeira, que era o mote, o ponto de partida para a criação espontânea).

Candeia acrescentou os demais versos, mantendo-se, porém, fiel aos autores e ao espírito melódico e poético originais. “- Eu quero que esse pessoal da antiga tenha oportunidade já, agora. Depois que o cara morre não adianta nada dizer que ele foi genial. O negócio é reconhecer enquanto eles ainda estão aí e podem lembrar dos trabalhos realizados pelos outros, que já morreram”.

Enfático, batalhador, Candeia exigindo passagem para o seu pessoal. Um privilégio contar com a amizade de Candeia. Bem-aventurados são os que podem conhecê-lo, ouvir, aprender com ele, sentir de perto a generosidade, o peito aberto, a ansiedade de empunhar o violão e cantar a história das gentes do Rio, e não apenas os próprios (e extraordinários) sambas. Temperamento de soba, está sempre ajudando, atendendo a um e outros, o telefone de sua casa em Jacarepaguá não para de tocar. Não dá guarida, porém, a sentimentos de fraqueza. Quer seu povo altivo “olhando o sol de frente”, fortalecendo-se nas batalhas contra o medo: “- Quem é bamba não bambeia”.

O que pensa está dito em “Dia de Graça”. Descobre e revela músicos e ritmistas: AXÉ! traz à cena mais um violão sete cordas de qualidade, Walter, irmão do já conhecido Waldir. É assim que AXÉ! revela o cabeça-feita Carlinhos, Ogã confirmado, 25 anos de idade e quase isso de Candomblé, mestre nos atabaques e em tudo o mais que seja percussão e ritmo. O elepê AXÉ! é, em certa medida, o resultado das posições assumidas e defendidas por um Candeia histórico e historiador em “Escola de Samba, Árvore que Esqueceu a Raiz”, livro escrito em parceria com Isnard Araújo. Um disco fundamental para a história da música e do samba.

Repertório:

PINTURA SEM ARTE“ (Candeia, 1978) – este samba modula de menor para maior, ganhando conotação chorística. Niquinho, no bandolim, e Copinha, na flauta, dão o tom de baile de subúrbio, exatamente o que Candeia desejava mostrar. “- Eram bailes na casa de Dona Esther, em Oswaldo Cruz, a tia Ciata do meu tempo. Luperce Miranda, Pixinguinha, Claudionor Cruz, Zé com Fome, todo mundo ia para lá”. Era a macumba, o samba, o choro, tudo presente nas bases da formação de Candeia, filho de sambista. “- Herdei o axé de meu pai”.

OURO DESÇA DO SEU TRONO“ (Paulo da Portela) – Walter e João de Aquino nos violões, Walmar no cavaco, armam uma introdução bonita e cheia para a versaria Candeia/Alvaiade com o apoio do coro da Velha Guarda. De quando a Portelinha funcionava no quarto de Paulo Benjamim de Oliveira, na Barra Preta, em Oswaldo Cruz de 1929/31.

MIL RÉIS“ (Candeia / Noca – 1974) o surdo de Gordinho, fundamental em toda a linha de construção do disco, revela aqui a competência da marcação uniforme, encorpada e convicta.

VIVO ISOLADO DO MUNDO” (Alcides “Histórico”, 1931) – gravação duas vezes histórica: samba de Alcides e presença do redescoberto Manacéa (Quantas lágrimas).

AMOR NÃO É BRINQUEDO” (Candeia / Martinho da Vila, 1978) – a cuíca de Marçal e o repinique de Doutor saúdam o excelente resultado da nobre parceria dos velhos amigos, Iniciando dupla este ano e já com outros sambas prontos, além deste, e do Eu, você, orgia, gravado por Beth Carvalho. Os quatro primeiros versos são primorosos: “Se quiser se distrair, lique a televisão amor, comigo não/ Se está procurando distração o romance terminou mais cedo/ Peço por favor pra não brincar com meus segredos/ Verdadeiro amor não é brinquedo”

ZÉ TAMBOZEIRO (TAMBOR DE ANGOLA)” (Candeia / Vandinho 1976) – exemplo do tipo de samba que antecedeu ao partido alto. Na Bahia chama-se samba de roda, ou de umbigada; na macumba carioca, samba de caboclo. Marcante nesta gravação é a forte presença de Clementina de Jesus e a competência de Carlinhos, no toque de Angola, típico dos Candomblés da área do Rio e Grande Rio.

DIA DE GRAÇA” (Candeia, 1966) – no começo, os ritmistas encaminhando-se para a concentração, cada qual “esquentando” o instrumento, despreocupados em fazê-los concertantes, cada qual tirando o seu som, ainda não é a hora do desfile, mas de aquecimento. Um exercício de sons afro. Depois, então é o uníssono a orquestra de percussão em harmonia, desfile. Candeia desfila e, na pista da Avenida, larga a mensagem ao sambista: “Deixa de ser rei só na folia…”

GAMAÇÃO“ (Candeia, 1977) – na estrofe final, a força poética de um letrista que não tem medo de palavras nem se detém diante de imagens que fariam, talvez, tremer um poeta erudito: “neste amor submerso…” A “cozinha” mantém um certo clima de desfile, a Velha Guarda é coro a repetir melodia e versos. Repetindo, mantém e preserva as belezas que Candeia quer fazer conhecidas.

PEIXEIRO GRANFINO“ (Bretas / Candeia, 1977) – nasceu de um pregão popular que os dois compadres e parceiros escutavam na infância do Rio suburbano. Dona Ivone Lara verseja e cerca coro e canto com linda vocalização.

OUÇO UMA VOZ” (Nelson Amorim, 1931) – também neste samba antigo, de primeira apenas, Candeia acrescentou versos, mantendo-se sempre fiel ao espírito original da composição. Chico Santana estréia, com voz emocionada, no mundo do disco.

VEM AMENIZAR” (Candeia / Waldir 59, 1956) – apito chamando, bateria encorpada, subindo no jeito de desfile. Samba do terreiro apresentado, pela primeira vez, na Portelinha.

O INVOCADO” (Casquinha, 1978) – novamente a cuíca (desta vez antiga) de Marçal determinando o clima do partido zangado e crítico, bem carioca e muito expressivo dos atuais sentimentos populares diante do arrocho e do encolhimento de salários.

BEBERRÃO” (Molequinho / Aniceto) – os autores estão entre os fundadores da Império Serrano. Pagode solto, versos improvisados, Manuel Gonçalves (Manuel Bam Bam Bam, da Portela), lembrado e presente, como lembrado é o caldo de rã, infalível cura-porre.
Contracapa

Axé quer dizer: Candeia – Antônio Candeia Filho. Porque axé (áse), palavra de língua iorubana, significa força, energia, movimento, sem o que a vida não se realiza ou se resolve; e sem o que a cultura não se preserva nem se transmite. Asé significa: “eu quero, eu posso, eu faço”, na linguagem da natureza, na cosmogonia mágico-sagrada do Nagô, idioma e aval de Candeia, na profícua missão de plantar axé onde passe e no que faça. Axé: resistência (… “mas se é pra chorar/choro cantando/pra ninguém me ver sofrendo…”); luz da criação; energia transmissível no contato direto, e pelo canto, pela palavra, pelo som, quando têm eles a finalidade revigoradora de um Dia de graça (“negro, acorda, é hora de acordar”.). Esse artista de singular consciência social defende, mantém, preserva, revigora e transmite os princípios, inabalável fidelidade à sua gente. Por amor ao samba, ao povo e aos sambistas fundou o Grêmio Recreativo de Arte Negra e Samba Quilombo, em dezembro de 1975, num manifesto de coragem, sem filigranas de retórica sobre “embranquecimento” das escolas, sobre quem merece ou não merece sambar, para ele, todos merecem sambar, o samba está na veia do brasileiro, já o disse muito bem no pagode:”vem prá roda, menina, mexer com as cadeiras vem sambar, a idade não importa, a cor da tua pele não interessa…”. A discussão toda, Candeia sintetiza de forma objetiva e concreta, em trabalhos como este Axé! os amigos do samba, sexto elepê, disco de conotações ricas. Tem papo. Goró. Batida de limão. Atabaques. Agogô. E a melodia imprevista, de dissonâncias que a fazem tão bela; e as divisões perfeitas; e a poesia vigorosa, em certos momentos beirando a genialidade. É o axé dos ancestrais, dos heroicos fundadores do samba, Candeia cantando Paulo da Portela, Alcides Histórico. Samba em todos os climas; Canção. Choro. Roda. Candeia não se detêm diante de limites formais, todas as manifestações musicais populares são veículos de sua inspiração, axé da versatilidade. Artista nascido para cantar alto e abrir caminho, aproximar-se dele é empreitada de força, necessário ter coragem para encarar o axé que emana da sua figura de líder. O tranco é forte, necessário dispor também de asé para sadia troca de ideias e informações. Na WEA, ele está abrindo senda, inaugurando selo de samba, firmando seu partido. Que é o partido alto do povo, legitimando essa companhia nova no Brasil. Com etiqueta de autêntica música popular brasileira. Axê significa, ainda, coragem e persistência. Esse é o axé do violonista João de Aquino, há quatro para cinco anos dedicando a carreira de produtor às opções de música recolhidas nas fontes populares. E àse tem a própria WEA, que resolveu mostrar, a partir de Candeia, que também tem samba na veia.

Lena Frias
setembro de 1978
contracapa/encarte

Axé! gente amiga do samba – Candeia, 1978 Atlantic – WEA BR 20.032, LP

Lado 1

1.
PINTURA SEM ARTE
Candeia
2.
OURO DESÇA DO SEU TRONO
Paulo da Portela
MIL RÉIS
Candeia/Noca
3.
VIVO ISOLADO DO MUNDO
Alcides “Histórico”
AMOR NÃO É BRINQUEDO
Candeia/Martinho da Vila
4.
ZÉ TAMBOZEIRO
(TAMBOR DE ANGOLA)
Candeia/Vandinho

Lado 2

1.
DIA DE GRAÇA
Candeia
2.
GAMAÇÃO
Candeia
PEIXEIRO GRANFINO
Bretas/Candeia
OUÇO UMA VOZ
Nelson Amorim
VEM AMENIZAR
Candeia/Waldir 59
3.
O INVOCADO
Casquinha
BEBERRÃO
Molequinho/Aniceto do Império


Atlantic – WEA BR 20.032, LP

PRODUZIDO POR JOÃO DE AQUINO

Direção Artística: Mazola
Direção de Produção: Guti
Co-Producao: Jodeli Muniz
Direção de Gravina: Edeltrudes Marques (Dudu)
Manipulando os Botões de Gravação: Vítor e Toninho
Auxiliares de Gravação: Rafael, Filé e Cláudio
Na Birita e no Cafèw: Seu Manoel
Arrejimentacào e Grande Forca: Zézinho
Cobrando os Trabalhos na Coxia: Lena Freitas, Clóvis Scarpino e Francisco Vieira
Rainha dos Ouitutes: Leonilda
Gravado no Rio de Janeiro em pleno subúrbio carioca no Bairro de S. Francisco Xavier no Estúdio Transamérica
Coordenação de Capa: Cláudio Carvalho
Arte: Lobianco
Foto: Ivan Cardoso
Arte Final: Ruth Freihof
Surdo: Gordinho
Pandeiro: Testa
Tamborim: Marçal e Luna
Cuíca: Marcal
Repique de Mão: Doutor
Repique de Pau: Carlinhos
Tumbadora: Geraldo Bongô
Agogô: Canegal
Bateria: Fernando e Wilson das Neves
Apito: Candeia
Violào de 7: Valter
Violão de 6: João de Aquino
Cavaco: Volmar

Convidados: Clementina de Jesus, Manacéa, D. Ivone Lara, Chico Santana, Casquinha, Alvaiade, João de Aquino e Velha Guarda da Portela: Casquinha. Chico Santana, Alvaiade, Osmar, Doca, Eunice e Manacéa

Coro: Tufy, China, Inácio, Laís, Vera, Nadir e Marli
Flauta: Copinha
Bandolim: Niquinho

Participação Especial de:
Alvaiade em ‘OURO DESÇA DO SEU TRONO’
Manacéa em ‘VIVO ISOLADO DO MONDO’
Clementina de Jesus e João de Aquino em ‘ZÉ TAMBOZEIRO (TAMBOR DE ANGOLA)’
Dona Ivone Lara em “PEIXEIRO GRANFINO’
Chico Santana em ‘OUÇO UMA VOZ’
Casquinha em ‘O INVOCADO’
Velha Guarda da Portela (CORO)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *