CARTOLA | 1974, Marcus Pereira

Finalmente um LP com o grande Cartola! Foi preciso que nascesse uma nova gravadora, a Marcus Pereira, para que fosse dada ao fundador da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, ao maior compositor de todos os tempo dos morros cariocas, a mesma honra já concedida a centenas de nomes surgidos com a mesma rapidez com que desapareceram do panorama de nossa música popular.

Aos 65 anos de idade, Cartola mostra neste disco a razão pela qual é uma legenda e uma lenda do samba. A legenda todo mundo entende. Quanto à lenda, explico melhor. Houve um tempo — bem depois de Cartola ter sido descoberto nos idos de 1930 pelos grandes cantores da época — que o sambista desapareceu do morro e do samba. Muita gente pensava até que ele tivesse morrido e vários sambas falavam dele: “Tenho saudades do terreiro da escola/Lindos sambas do Cartola”, dizia um de Herivelto Martins; “Antigamente havia grande escola/Lindos sambas do Cartola”, dizia outro de Pedro Caetano. E Cartola só foi redescoberto em fins dos anos 50 pelo inesquecível Sérgio Porto numa atividade nada condizente para a grandeza do seu nome, era lavador de carros de uma garagem de Ipanema.

Mas hoje todas as pessoas ligadas de qualquer forma ao samba reconhecem a sua importância. Ele não só fundou a Estação Primeira como lhe deu nome e as cores verde-e-rosa: Foi o seu primeiro diretor de harmonia. Um dos seus sambas, “Quem me vê sorrindo”, foi gravado por Leopoldo Stokovsky para a Columbia norte-americana, por indicação de Villa-Lobos. Villa-Lobos, aliás, era um grande admirador de Cartola e o convidou várias vezes para participar de espetáculos que promovia. Foi parceiro de Noel Rosa e seus sambas foram gravados por intérpretes como Francisco Alves, Mário Reis, Sílvio Caldas, Carmen Miranda, Elizeth Cardoso e Paulinho da Viola. São muitos, portanto, os títulos de Cartola, o mestre de tantos compositores importantes (o próprio Paulinho da Viola o aponta como a sua grande influência). Mas talvez nenhum seja tão expressivo quanto ao que lhe foi atribuído pelo extraordinário Nelson Cavaquinho numa entrevista que me concedeu. Perguntei a Nelson qual, na sua opinião é o maior compositor da nossa música. Ele não hesitou:

— Cartola!

Sérgio Cabral
contracapa

CARTOLA – 1974 (Marcus Pereira 403.5007, LP)

LADO 1

  1. DISFARÇA E CHORA
    Cartola e Dalmo Casteli 2.06
  2. SIM
    Cartola e Oswaldo Martins 3.38
  3. CORRA E OLHE O CÉU
    Cartola e Dalmo Casteli 2.23
  4. ACONTECE
    Cartola 1.17
  5. TIVE SIM
    Cartola 2.09
  6. O SOL NASCERÁ
    Cartola e Elton Medeiros 1.42

LADO2

  1. ALVORADA
    Cartola, Carlos Cachaça e Herminio Bello de Carvalho 2.40
  2. FESTA DA VINDA
    Cartola e Nuno Veloso 1.59
  3. QUEM ME VÊ SORRINDO
    Cartola e Carlos Cachaça 2.07
  4. AMOR PROIBIDO
    Cartola 2.37
  5. ORDENES E FAREI
    Cartola e Aluizio Dias 2.21
  6. ALEGRIA
    Cartola 2.44

Marcus Pereira 403.5007, LP / MPL-1003 – 1974, LP (2° série) / MPL-9302 – 1975, LP (3° série)

PARTICIPAÇÃO:
Horondino José da Silva (Dino) Violão de 7 cordas.
Jayme Thomas Florêncio (Meira) Violão.
Waldiro Frederico Tramontano (Canhôto) Cavaquinho.
Raul Machado de Barros (Raul de Barros) Trombone.
Nicolino Copia (Copinha) Flauta.
Gilberto D’Avila (Gilberto) Surdo e pandeiro.
Nílton Delfino Marçal (Marçal) Cuíca e caixa de fósforo.
Roberto Bastos Pinheiro (Luna) Tamborim e agogô.
Jorge José da Silva (Jorginho) Pandeiro e caxixi.
Wilson Canegal Ganzá e reco-reco.
Joab Lopes Teixeira (Joab) Coral.

PRODUCÀO E DIREÇÃO DE ESTÚDIO
J.C.Botezeli (Pelão)

ARRANJOS E REGÊNCIA
Maestro Horondino José da Silva (Dino)

TÉCNICO DE GRAVAÇÃO
Paulo Frazão

FOTO
Alexandre Silva Bauer e Gaia Piovesan Faro.

Gravacão realizada nos dias 20 e 21 de fevereiro e 16 e 17 de março de 1974 nos estúdios da RCA do Rio de Janeiro em 16 canais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *