ÉPOCA DE OURO – DINO 50 ANOS | 1987, Copacabana

O nome completo, CONJUNTO ÉPOCA DE OURO, surgiu em duas etapas: a primeira em 1959 quando Jacob do bandolim deu o título de “Época de Ouro” a um LP seu, gravado neste ano com grande orquestra, e do qual ele muito se orgulhava. A denominação “conjunto” e não “regional”, como seria natural para um grupo de choro da época, já estava na sua cabeça muito antes, pois segundo o violonista Cesar Faria, “ele tinha ogerisa pelo nome regional, sempre um tapa-buraco…para completar o tempo dos programas de rádio”.

Na contra-capa de outro LP, “Vibrações” (1961), Jacob refere-se textualmente ao seu Conjunto Época de Ouro, que êle próprio qualifica de pomposo título. Estava ai sacramentada a idéia que vinha alimentando há alguns anos, mas tomou forma definitiva só quando Dino Sete Cordas se tornou o 3.° violonista. Uma novidade, essa de 3 violões em grupo de choro, e pela qual é responsável outro grande violão 7 cordas, o paulista Antonio D’Auria, do conjunto Atlântico. Foi seu D’Auria, um dos mais esclarecidos chorões do pais, quem sugeriu a seu intimo amigo Jacob convidar Horondino José da Silva para completar o naipe de violões ao lado de Benedito Casar Ramos de Faria e Carlos Fernandes de Carvalho Leite, o Carlinhos. Jacob encarou a sugestão com entusiasmo, como mostra na carta que lhe enviou em 18 de abril de 1965: “na próxima (ida a São Paulo) levarei meus 2 violões que por sinal, nesta semana começam a ensaiar com Dino, o grande mestre Dino, para o próximo LP”. Esse “próximo LP” seria o “Vibrações” e aí nascia de fato o Conjunto Época de Ouro cuja formação inicial era completada com Jonas (cavaquinho), Gilberto D’Avila (pandeiro) e Jorge José da Silva, irmão do Dino, ritmista, que passou a pandeirista após a saída de Gilberto.

Seu Cesar ainda me deu mais informações num papo gravado já faz algum tempo: “GLogo após a morte do Jacob nós ficamos muito tempo parados, sem tocar. Eu tocava avulso, fazia gravações, mas em matéria de conjunto, ele ficou parado bastante tempo. Depois é que nós começamos a nos animar novantenie, apareceu o Déo Rian, começamos a ensaiar e devemos grande parte do nosso retorno ao espetáculo “Saráu” que o Paulinho da Viola fez no Teatro da Lagoa. Mas sem o Dino, que sempre muito ocupado com as gravações, não posia assumir o compromisso. Então nós ficamos uns 3 ou 4 meses no Saráu, dali o conjunto parece que ganhou um pouco de força. Tanto é que nós gravamos logo em seguida um LP, depois gravamos o segundo e o terceiro.”

Éste 4.° disco tem pois os 3 violões e Jorginho da formação original. Ronaldo do Bandolim e Valmar (cavaco) completam o atual Época, aqui com a participação do baixista Dininho, diversos ritmistas e 5 convidados muito especiais. Tudo gente do ramo, com sugestivos entrelaçamentos que foram acontecendo por esses anos afora entre os participantes do Época de Ouro e seus filhos, também músicos e integrantes do grupo de Paulinho da Viola, que por sua vez aprendeu choro ouvindo os 3 violões do conjunto, um dos quais era seu pai, Casar Faria.

Esse prosseguimento de gerações é sustentado por uma energia gregária que o choro possui, talvez a chama que inspira músicos ligados amorosamente a seus instrumentos e encantam a gente. São os choros do Época de Ouro, a mais popular marca da nobreza musical brasileira.

Zuza Homem de Melo – 1987
contracapa

LP ÉPOCA DE OURO - DINO 50 ANOS | 1987, Copacabana

MEU SONHO
Cristóvão Bastos/Jorginho do Pandeiro
ORGULHOSA
Tico-Tico
SUBINDO A SERRA
Pixinguinha/Benedito Lacerda
CINEMA MUDO
Waldir Azevedo – Klecius Caldas
PRETENCIOSO
Pixinguinha/Benedito Lacerda
EXALTAÇÃO A BAHIA
Vicente Paiva/Chianca de Garcia

ACREDITEI NOS BEIJOS DELA
(Paulinho da Viola/Cristóvão Bastos)
MINHA CRENÇA
Dino/Del Loro
OH MEU AMIGO (Homenagem a Esmeraldino Sales)
Orlando Silveira
CAIXINHA DE MÚSICA
Zinomar Pereira
TERNURA
Jacob do Bandolim
UM CHORINHO NO CIRCO VOADOR
Severino Araújo


Copacabana – 12909, LP

Produtor Fonográfico: Som Indústria e Comércio S.A.
Projeto: Eduardo Gudin/Helton Altman
Direção Geral: Adiel Macedo
Produção Artística e Executiva: Heldon Altman
Direção Musical: Jorge José da Silva (Jorginho do Pandeiro)
Capa: Elifas Andreato
Arte Final: Alexandre Huzak
Técnico de Gravação: Anibal Félix
Auxiliares Técnicos: Paulo Cesar/Lélio/Paulo Lindão
Mixagem: Getúlio Carvalho Jr./Jorginho do Pandeiro/Helton Altman
Montagem: Leandro Grandi
Corte: Getúlio Bezerra Jr.
Gravado nos Estúdios Transamérica Rio de Janeiro e mixado nos Estúdios Copacabana S.B. do Campo, São Paulo – Brasil

MÚSICOS

Dino 7 Cordas – todas as faixas
Carlinhos 6 Cordas – todas as faixas
César 6 Cordas – todas as faixas
Ronaldo Bandolim – todas as faixas menos a 4B
Valmar – Cavaco Centro – todas as faixas menos a 4B – Cavaco Solo – 4A e 4B – Cavaco Introdução – 3B – Cavaco Detalhe – 1A e 3A
Jorginho do Pandeiro – Pandeiro – todas as faixas menos 2A, 2B e 4B – Ganzá – faixas 1A, 6A, 1B, 6B
Dininho – Contrabaixo – todas as faixas menos 1A – Tamborim – 6A
Celsinho do Pandeiro – Caxeta – 3A e 6B – Reco-reco – 4A, 5A, 3B e 5B – Tamborim – 6A e 6B
Jorge Filho (Ginho) – Reco-reco – 1A, 6A e 6B – Agogô – 3A – Ganzá – 4A, 5A, 3B e 5B – Tamborim – 6A
Hércules – Caixa – 6A
Cabelinho – Surdo – 6A – Agogô – 6A – Tamborim – 6A

ARRANJOS

Dino – 2A, 6A e 2B
Cristovão Bastos – 1A e 1B
Jorginho do Pandeiro – 3A e 5A
Orlando Silveira – 4A, 3B e 4B
César – 5B
Época de Ouro – 6B

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *