UM PIANO SOBE O MORRO JOÃO ROBERTO KELLY E OS PAGODEIROS NOTA 10 | 1973, Tapecar

João Roberto Kelly é o pianista de formação clássica e influência jazzística que subiu o morro e abraçou o samba. Aprendeu a tocar piano durante a infância com a professora Zélia Lima Furtado no Conservatório Brasileiro de Musica. Além do piano, Kelly se dedicou ao Direito e se graduou como advogado em 1955. Mas a música falou mais alto em sua vida e foi através do Teatro que ele ingressou profissionalmente no mundo da produção artística. Ele musicou a peça de Teatro de Revista “Sputnik”. Em 1961 começou a tocar para Elza Soares e depois começou a acompanhar Elizeth Cardoso.

Kelly começou a trabalhar para a TV Excelsior fazendo vinhetas para aberturas de programas e diversos quadros de programas. Neste período fez sucesso compondo marchas de carnaval, como a “Cabeleira do Zezé”(João Kelly/Roberto Faissal) e “Joga a Chave Meu Amor”. Em 1973 João Kelly com o grupo Os Pagodeiros grava o álbum aqui postado “Um Piano Sobe o Morro”. O disco pode ser resumido como o encontro da cuíca com o piano.

UM PIANO SOBE O MORRO JOÃO ROBERTO KELLY E OS PAGODEIROS NOTA 10

Face A

  1. NINGUÉM TASCA (O Gavião) — 2.24
    (Mário Pereira e João Quadrado)
    “O meu barraco fica assim de’ gavião”. Já está na boca da moçada e é o pagode obrigatório de todas as rodas de samba da cidade.
  2. TEM CAPOEIRA (É bom segurar) — 2.15
    (Baptista da Mangueira)
    Este é o samba de quadra mais cantado de Mangueira. Vai “levantar a poeira no asfalto”.
  3. UM SAMBINHA PRA SINHO — 2.00
    (João Roberto Kelly)
    João Roberto Kelly homenageia J. B. Silva. o popular SINHÔ, num sambinha bem malandro e carioca.
  4. CARTEIRO DO MORRO — 2.02
    (Pauto Cezar Beltrão)
    Paulo Cezar Beltrão é um branco de Ipanema que faz samba de morro. CARTEIRO “tai ai” pra quem quiser conferir.
  5. RANCHO DA PRAÇA ONZE — 1.44
    (João Roberto Kelly e Francisco Anísio)
    Marcha-rancho campeã do carnaval do 4: centenário do Rio de Janeiro. Regravada agora com “môlho-73′.’
  6. A PROCURA DE UM NINHO — 2.14
    (Geraldo Barbosa e F. Terra)
    Tema do cotidiano dos morros cariocas. num samba bem bolado.

Face B

  1. MORENINHA DA VILA — 2.25
    (João Roberto Kelly)
    Homenagem as mulatas “Xuxu-Beleza”. que enfeitam os ensaios da UNIDOS DE VILA ISABEL.
  2. SOM PRIMEIRO — 2.12
    (Paulo Cézar Beltrão e Jair Barbosa)
    Bate papo musical dos compositores com todos os instrumentos de percussão de escola de samba.
  3. AS DEZ MAIS — 3.28
    (Ciro de Souza e Braga Filho)
    As dez Escolas do 1.° grupo, ganharam um samba jóia. Ciro e Braga foram muito felizes.
  4. NORDESTE, SEU POVO, SEU CANTO E SUA GLÓRIA — 2.33
    (Wilson Diabo da Cuíca, Maneco e Heitor)
    Lindo samba enredo do Império Serrano.
  5. PAPEL CREPOM — 2.22
    (Maria Luiza Imperial e Raul Prata)
    A juventude de Maria Luiza e Raul Prata. explodindo no samba “sabor bloco de rua”.
  6. FOSSA — 2.15
    (Jurandir, João Quadrado e Mário Pereira)
    O malandro também chora gotas de samba. Os autores são da Império da Tijuca.

Tapecar, 1973 – LPX.15

Realização — LEONEL GUALTER
Supervisão — JOSÉ XAVIER
P/1972
Capa — JOSELITO
TAPECAR GRAVAÇÕES S.A.
RUA 17 DE FEVEREIRO, 159 • RI0/GB
CGC 33.631.433
DISCO É CULTURA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *