Amigo:
Lá vamos nós entrando pela sua casa a dentro, com a maior intimidade, sem paletó e gravata… E as apresentações?
Você, já conhecemos: amigo do chôro, não toma conhecimento de “pesquisas”, movimentos ou humildades. Quer, apenas, ouvir música brasileira pura e, óbvio, honesta. Divertir-se, sem complicações. Participar, de pijama e violão no coração, da nossa roda de chôro.
Ficará satisfeito, pois transformamos os funcionais e austeros estúdios da RCA VICTOR, num lindo quintal com mangueiras e muito sol. Na cozinha, Geraldo Santos, nosso Diretor Artístico – mestre-cuca dêste Lp. Na copa, os operadores Dacy e Salvador.
E nós, os garçons, hoje agrupados sob o pomposo título de “JACOB E SEU CONJUNTO ÉPOCA DE OURO” — já que cremos ter superado, há muito, a fase de “regional” — cá estamos:
JACOB = Jacob Pick Bittencourt (N. 14.2.918-GB), estudante de bandolim desde 1933 (que perseverança!), perito-contador (o que é?), Escrivão da Justiça Criminal da GB (treina, na máquina o que tocará à noite) e escapulido do 1.° enfarte quando interpretava o “Lamento”, de Pixinguinha, o que valeu a pena.
DINO = Horondino José da Silva (N. 5.5.918-GB), professor de violão de 6, 7 ou mais cordas que esse instrumento venha a ter. E que professor! Estuda tanto quanto leciona. Acabará tocando harpa… Não é chorão autêntico porque não chega atrasado, raro, beber e adora ensaiar. Para meu orgulho, basta-me ser seu contemporâneo.
CESAR = Benedito Cesar Ramos de Faria (N.24.2.919-GB), acompanha-me dêsde 1939. Oficial de Justiça da GB. Harmonizado do conjunto, é o único que, até hoje, conhece todo meu repertório. Não perdoa-me têlo gongado, em público, quando pretendeu ser cantor. Melhor. Tenho um grande violonista.
CARLINHOS = Carlos Fernandes de Carvalho Leite (N.1.1.924- E. do Rio) é Agente Fiscal nesse Estado. Violão “gemedeira”, bom para uma seresta, é rápido nos solos ou baixarias. Calmo e observador. Aliás, recentemente ficou noivo. De namôro. dez anos! Muito calmo e observador, o Carlinhos…
JONAS = Jonas Pereira da Silva (N.11.4.934-E. do Rio), é funcionário público em Niterói. Ótimo solista de cavaquinho, meu “centro” ideal, não toca “atravessado” e adapta, a cada número, palhetada adequada. Tudo isso ostentando linda mecha branca nos cabelos.
GILBERTO = Gilberto d’Avila (N. 21.4.915-E. do Rio), é o pandeirista. Isso, dito assim, parece nada. Mas a segurança de suas batidas oferece-nos tranquilidade. Não suporta malabarismos, embora saiba fazê-los. Toca, só e bem. Basta-me. É, também, o “leão-de-chácara” do Conjunto. Briga, é com…
JORGINHO = Jorge José da Silva (N. 3.12.930-GB), é o ritmista. Irmão de Dino e primo do bandolinista Tico-tico. Ouvido apurado, difícil de satisfazer, é o crítico do conjunto.
E vamos aos “pratos”, amigo:

FACE “A”:
1. VIBRAÇÕES — chôro (Jacob Bittencourt)
Inédito. Dedicado a João Dormund, em cuja residência conhecida por “Retiro da Saudade”, “tive o pensamento”, como diziam os antigos chorões. Isto em 26-3-64. E tem urna história difícil de explicar. Mas aprecie os violões de Cesar e Carlinhos, em campanela, na repetição da 2.° parte .
2. RECEITA DE SAMBA — samba (Jacob Bittencourt)
Inédito. Composto em 23-1-65, evocando os bons tempos do Samba…
3. INGÊNUO — chôro (Pixinguinha-Benedito Lacerda)
Pixinguinha = Alfredo da Rocha Viana Jr. (N . 23.4.1898-Rua Alfredo Reis, Piedade, GB).
Benedito Lacerda (N . 14.3.903-Macaé-E. do Rio) (F. .. . 16 . 2.958-GB).
1.° gravação: pelos autores, em 4.6.46 (RCA-80.0538-b). Antes, a 2.° parte era a 3.° do chôro “Porque sofres? “, dp próprio Pixinguinha.
“Ingênuo”, “Lamento” e “Carinhoso” são, no meu entender, as três obras primas de mestre Pixinga. O primeiro, entretanto, permite mais mobilidade aos intérpretes. Exige mais versatilidade. É completo, modelar. Daí permitir-me este arranjo, sem modificar sua estrutura original e obedecendo a incontidos impulsos de suas lindas frases e inesperadas modulações. Não é de admirar, pois Pixinguinha afirma ser êste, de seus choras, o que mais o sensibilisa.
4. PÉROLAS — chôro Jacob Bittencourt
Inédito. Dedicado a Antônio de Freitas Oliveira, o “Iôiô”. Composto em 6.3.66, em casa de Alberto Rossi (S. Paulo).
5. ASSIM MESMO — chôro (Luiz Americano)
Luiz Americano do Rêgo, clarinete e sax (N. 27.2.900- Aracajú Sergipe (F. 29.3.60-Hospital dos Radialistas-GB).
1.° gravação: pelo autor, suplemento de Nov. 932 (Odeon-10.920), igual á edição impressa lançada em 11.5.40 (Vitale-Album 7.a).
2.° gravação: pelo autor, em 13.8.58 (RCA-Lp-BBL-1005), com a 3.° parte totalmente diferente da original.
Prevalece, nesta faixa e como é óbvio, a melodia primitiva
6. FIDALGA — valsa (Ernesto Nazareth)
Ernesto Júlio de Nazareth (N. 20.3.1863-GB) (F. 4.2.934-GB). 1.° gravação: á deste LP. Editada em 1914 (Copyright de 1910) por E. Bevilacqua & Cia., dedicada a Ludovina da Cunha, tia do autor, inicialmente teve o título de “Douleur suprême”. Acredito que, se por grande orquestra, mais condigna seria sua apresentação. Mas o importante era divulgá-1a. E aqui o fazemos.

FACE “B”:
7. LAMENTO — chôro (Pixinguinha)
“… nessa música não se encontra um caracter perfeitamente típico. A influência das melodias e mesmo do ritmo da música dos norte-americanos é, nesse chôro, bem evidente. Esse fato nos causou surprêsa, porquanto sabemos o compositor um dos melhores autores de música típica nacional. É por este motivo que julgamos este disco o pior dos quatro que a Orchestra Pixinguinha-Donga oferece-nos esta quinzena”!!!
Foi assim que a revista “Phono-Arte” de 30.11.928 (n.° 8 pág. 24) apreciou o lançamento deste chôro em disco Parlophon n.0 12.867-a. Pobre Pixinguinha, jazzificado! Todavia, em jun. 951, tentei sua divulgação em RCA-80.0767 e, apesar de vendidos 11.137 discos, não despertou a atenção pública que se interessou mais pela outra face, uma polca. Mas como o que e bom atravessa os séculos, surgiu uma letra, embora só para a 1.° parte. Foi o suficiente. Graças a Deus e a Vinicius de Moraes, tomou-se conhecimento do “peor” chôro de Mister Pixinguinha. Antes assim. E contando com a proverbial tolerância do autor, aqui oferecemos um nôvo aspecto de ‘Lamento”.
8. MURMURANDO — chôro (Fon-Fon)
Fon-Fon =, Octaviano Romeiro, sax (N. 31.1.908-Sta. Luzia do Norte-Alagoas) (F. 10.8.951-Atenas-Grécia).
1.° gravação: pelo autor c/ orquestra, suplemento de Set. 946 (Odeon-12.729-b). Também só ficou conhecido depois que recebeu letra de Mário Rossi e interpretação de Odete Amaral. Esta faixa é a 2.° apresentação por êste solista pois a 1.° foi em Mar. 960 (RCA-Lp-BBL-1072). E se me deixarem, gravo “Murmurando” duas vezes por dia. Feito remédio. Aqui, Dino sola a última parte, o bandolim não resiste e “centra” ao lado de Jonas.
9. CADÊNCIA — chôro (Joventino Maciel).
Joventino Maciel, bandolinista e torneiro-mecânico (N.3.5.926-Campos-E. do Rio). Inédito. Admirável a inspiração e o talento dêsse instrumentista. Compõe com extrema facilidade como provarei em futuras gravações.
10. FLORAUX – tanguinho (Ernesto Nazareth)
1.° gravação: entre 1929/930 (Odeon-10.231-b), pala Orchestra Rio Artists, como maxixe! Calculo o desgôsto do autor, sempre preocupado com que suas músicas não fossem danadas. Editada, para piano, em 1909, por E. Bevilcrcqua & Cia.
11. BREJEIRO — tanguinho (Ernesto Nasareth)
Editado em 1893 por Fontes & Cia., a quem os direitos foram vendidos por 50 mil réis, tal foi seu êxito que os editores se viram obrigados a presentear Nazareth. Deram-lhe um guarda-chuva! Anos depois, Catulo aplicou-lhe versos: “O sertanejo enamorado”. A melodia foi dedicada a Gilberto Nazareth, sobrinho do autor. Sucesso um tanto esquecido, merece ser sempre lembrado e, assim, imprimimos-lhe modulações capazes de despertar curiosidade e atenção. Nazareth prescinde de qualquer retoque. Muito menos do meu. Desejei, aqui, excitar memórias e, principalmente, aproximar de Nazareth os jovens de hoje. Perdoem-me os tradicionalistas.
12. VESPER — valsa (Ernesto Nasareth)
1.° gravação: a dêste Lp. Dedicada ao Grupo de Regatas Gragoatá (E. do Rio), foi editada, em 1901, por Fertin de Vasconcelos, Morand & Cia.

E até o próximo, se Deus quiser.
Jacob

LP JACOB E SEU CONJUNTO ÉPOCA DE OURO - VIBRAÇÕES | 1967, RCA Victor

LADO 1

VIBRAÇÕES (Jacob Bittencourt)
RECEITA DE SAMBA (Jacob Bittencourt)
INGÉNUO (Pixinguinha — Bénedito Lacerda)
PÉROLAS (Jacob Bittencourt)
ASSIM MESMO (Luiz Americano)
FIDALGA (Ernesto Nazareth)

LADO 2

LAMENTO (Piringuinha)
MURMURANDO (Fon-Fon)
CADÊNCIA (Joventino Maciel)
FLORAUX (Ernesto Nazareth)
BREJEIRO (Ernesto Nazareth)
VÉSPER (Ernesto Nazareth)


RCA Victor – BBL 1383, LP

Publicado por Marcelo Oliveira

Sou carioca, mangueirense, botafoguense e apaixonado por samba. Meu objetivo com o blog sambaderaiz é divulgar o SAMBA, compartilhando meu acervo fonográfico. Que o blog seja um espaço de “Resistência Cultural” e em “Defesa da Tradição do Samba”. Forte abraço. marcelo@sambaderaiz.org

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 3 =