Quando a história da música popular brasileira for escrita, Jair Rodrigues já tem reserva de lugar em primeira fila. Ele aqui está, outra vez, trazendo nada mais e nada além do que um punhado de sambas, pois de samba é que vive e samba é o que sabe cantar.

Se dermos uma volta em sua vida, vamos vê-lo menino, aprendiz de alfaiate, lá longe, dentro do Estado de São Paulo. Se depois carregou pedras e fez caliça para erguer casas como ajudante de pedreiro que foi, em ambas as profissões de luta sempre trazia um sorriso, um assobio de bom ritmo.

Agora está aqui outra vez trazendo uma bandeja cheia de sambas. E sambas de melhor qualidade, onde ele vive um mundo de personagens que os sambistas inventam pensando na sua figura. É ele, sim, não há dúvida, aquele Conde que viu sua fantasia de plumas azuis atirada no chão, seu pinho quebrado, tal e qual sucedeu na canção popular. Ele, deixando tudo isso pra lá e sabendo bem que na vida nada é mais importante do que ver Vilma passar na Portela, rabiando o seu estandarte colorido e falando alto o samba-enredo da sua escola. E nada é, de fato, mais importante do que isso, não.

O samba foi feito para fazer carícias na alma de quem sofre chicotadas fortes. É pra todos nós, do alto, de baixo, do lado ou do meio.

A vida está de cabeça pra baixo, o formicida é uma insinuação, e eis que o samba chega e faz cessar essa preguiça de viver.

Jair é o samba de agora. Ele canta a tristeza com um sorriso largo, desafiando o tom menor. Ele grita a vida em ritmo alegre, pois sabe que a vida é um passar correndo.

Aqui estão juntos: Jair e seu novo disco. Em cada faixa, um samba; em cada samba, uma dose violenta de otimismo que vem pela voz e pela forma que este sambista maior nos sabe entregar. Vamos ouvir tudo isso em tom de silêncio e, depois, sair por aí, com o sorriso largo que o sambista transmite. E seremos melhores. Ou menos infelizes. – Fernando Lobo (texto da contracapa).

LP JAIR DE TODOS OS SAMBAS | 1969, Philips

Lado 1

BAHIA DE TODOS OS DEUSES (Bala-Manoel)
BLOCO DO SUJO (Luiz Antonio-Luiz Reis)
LEVANTA A CABEÇA (Osvaldo Nunes-Ivan Nascimento)
AVENIDA ILUMINADA (Newton Teixeira-Brasinha)
ENXUGA A TRISTEZA DO OLHAR (Carlos Magno)
EM NOME DA LUA, DA MULATA E DO SAMBA, AMÉM (José Di-Cardam Dantas)
CASA DE BAMBA (Martinho da Vila)
VÊ QUE LUAR (José Messias)

Lado 2

PRA QUE DINHEIRO (Martinho da Vila)
O CONDE (Evaldo Gouveia-Jair Amorim)
NA BRINCADEIRA DO MUNDO (Carlos Odilon-Décio Brandão-Jair Rodrigues)
FEITICEIRA (João Roberto Kelly)
OLELÊ, CHEGUEI AGORA (J.Cavalcanti-Corumba)
QUEM ENTRAR NA RODA E REI (Tito Madi)
LEVA MEU SAMBA (Ataulfo Alves)


Philips – R 765 081L, LP

Ficha Técnica: Direção de Produção: MANOEL BARENBEIN
Estúdios: SCATENA e HAWAY; Técnicos: JOÃO STÉLIO, DERALDO, MAZZOLA e ODILON; Foto: RAMÓN SANAHUJA; Programação Gráfica: GLAUCIO e LINCOLN

Publicado por Marcelo Oliveira

Sou carioca, mangueirense, botafoguense e apaixonado por samba. Meu objetivo com o blog sambaderaiz é divulgar o SAMBA, compartilhando meu acervo fonográfico. Que o blog seja um espaço de “Resistência Cultural” e em “Defesa da Tradição do Samba”. Forte abraço. marcelo@sambaderaiz.org

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × um =