Pela primeira vez o álbum de sambas-enredo era gravado no Teatro de Lona da Barra da Tijuca, deixando o Estúdio. A gravação deixou a bateria mais pesada em relação aos anos anteriores, pois o seu som está um pouco mais elevado do que o normal. No mesmo patamar estão também o cavaco e a cuíca. E, nas duas passadas, o intérprete canta o samba junto com o coral, que também é forte. O trabalho final acaba sendo bem qualificado, pois os sambas, um pouquinho mais barulhentos do que o normal, ficam bem audíveis e também, no geral, acabam bem cadenciados.

No CD, todas as faixas das 14 escolas do Grupo Especial foram incluídas. Porém, para os LP’s, foram excluídas as faixas da Unidos da Ponte e da Grande Rio, as duas últimas do CD e as vencedoras do Acesso no ano anterior. A safra de 1993 é muito qualificada, pois vários sambas-enredo deste ano marcaram.

Repertório

1A – ESTÁCIO – Na opinião de muitos bambas, o melhor samba-enredo da escola desde que trocou o nome São Carlos por Estácio de Sá. Ou até mesmo o melhor da escola de todos os tempos. É um samba que é muito difícil de ser cantado, devido aos versos longos e a alguns vocábulos um tanto complicados espalhados pela letra, como Kananciuê, Guaquaris, Cancão e Icamiabas. A letra é muito qualificada e a melodia se enquadra muito bem a ela, sem dúvida. Como o samba-enredo é longo, o ideal seria ele ser executado de maneira bem mais cadenciada do que a do LP. Como foi executado com a bateria acelerada, o samba acabou por se arrastar, o que por muitos momentos irritou Dominguinhos do Estácio em pleno desfile. Mas é inegável não considerarmos “A Dança da Lua” um dos grandes sambas-enredo da década de 90.

2A – IMPERATRIZ – Para mim, o ano da consagração e da afirmação de Preto Jóia. Mesmo cantando ao lado do impecável Rixxa no desfile, o Estandarte de Ouro de Melhor Intérprete foi ganho com totais méritos. Sobre o samba, a sua melodia é espetacular. É daqueles sambas que nós, bambas, ao ouvirmos, desejamos repeti-lo umas duas, três vezes depois da primeira vez em que é tocado. A parte final do samba, a partir do verso “De verde-e-branco sambando vem o Marquês…” até o refrão principal (“Eu vou no sassarico eu vou…“), é de arrepiar. Indiscutivelmente, um dos grandes sambas da história da Imperatriz Leopoldinense.

3A – PORTELA – Não vou muito com a cara deste samba. Sua melodia é daquelas que se enjoa fácil, sem qualquer tipo de originalidade. E o enredo sobre o casamento se enquadraria muito mais numa escola de menor porte que desfila anualmente na Intendente Magalhães. A letra é até interessante, a melhor que poderia se fazer para um enredo desses. No entanto, o resultado final não salvou a Portela de um caótico décimo lugar entre 14 escolas.

4A – BEIJA-FLOR – Sambaço! É um dos melhores do LP, pois o samba, da forma como foi gravado, emociona. Porém, tudo indicava que sua execução na Sapucaí não seria das melhores. Tanto que, numa entrevista à Cuca Lazarotto na TV Educativa em 2003, Neguinho da Beija-Flor confessou que a escola entrou fria e sem-jeito com o seu samba-enredo após a apoteótica passagem daquele sambão do Salgueiro (a Beija-Flor entrou na avenida em 1993 logo depois de Salgueiro, Unidos da Tijuca e Estácio). Sobre o samba, o admiro muito. Os dois refrões, na minha opinião, são fracos. Já a primeira e a segunda partes do samba-enredo são seus pontos fortes. Inclusive não podemos deixar de registrar a total cópia de melodia na parte “Liberte do seu peito essa criança/Dê as mãos na contradança/Vamos juntos cirandar“, no fim da primeira parte, antes do refrão central. Ela é idêntica a de um trecho do samba da Cabuçu de 1988 sobre os Trapalhões, coincidência ou não, situado no fim da primeira parte, antes do refrão central. Seus versos dizem: “Desperte em você essa lembrança/Vem comigo ser criança/Na carona da ilusão“. Experimentem ouvir esses dois trechos simultaneamente ou até mesmo recordá-los. Verão que a melodia de ambos é idêntica. Ah, e um dos autores do samba é Edeor de Paula, compositor do lendário “Os Sertões”, samba-enredo da Em Cima da Hora de 1976.

5A – VIRADOURO – Outro magnífico samba-enredo! Sua melodia emociona em cada uma de suas partes. Os dois refrões são fantásticos e Quinzinho realmente dá brilho aos sambas que canta. Dispensa mais comentários.

6A – CAPRICHOSOS – Samba fraco! A única parte que se salva em melodia é a segunda. No mais, o samba peca não só na melodia como também na letra. Embora muitos admirem este samba-enredo, eu não o vejo com muitos olhos. E ainda mais pelo fato dele ser interpretado pelo limitadíssimo Márcio Souto.

Capa do LP Sambas de Enredo Grupo Especial Carnaval 93

1B – MOCIDADE – Outro samba fraquíssimo! Um dos piores da escola de maneira disparada. A letra é muito fraca e sua melodia é enjoativa em demasia. Foi o último ano de Paulinho Mocidade na escola antes de retornar por dois anos em 2003. Evidentemente, não salvou este samba-enredo, anos-luz aquém dos anteriores da Mocidade. E até hoje não entendo o porquê de, no refrão principal, terem invertido os vocábulos Feridô Marraio Sou Rei em relação ao título do enredo, que é Marraio Feridô Sou Rei.

2B – SALGUEIRO – O que dizer do mais famoso samba-enredo dos últimos anos? Acho que a explicação mais sensata é a que ele iniciou uma era que não é muito bem-vinda pelos bambas salgueirenses: a dos sambas oba-oba. Peguei um Ita no Norte foi quem iniciou esta chata mania de colocar no refrão principal chavões que não têm nada a ver com o enredo. “Explode coração/Na maior felicidade/É lindo o meu Salgueiro/Contagiando, sacudindo essa cidade” é o trecho de samba-enredo mais oba-oba de todos os tempos. Mesmo assim, é um trecho de arrepiar a espinha! Não é a toa que a Sapucaí inteira estremeceu quando este refrão foi cantado! Não é a toa que este trecho fez do samba salgueirense o maior hit do carnaval de 1993! Não é a toa que até hoje seu refrão é entoado por bandinhas em qualquer evento esportivo! Quando alguém que não é tão bamba assim se recorda da escola de samba Salgueiro, logo vem à sua mente este refrão apoteótico, mas que também incentivou a escola a fazer, nos anos seguintes, tentativas que se resultariam fracassadas de criar um samba-enredo de tanto sucesso quanto o do Ita. Por isso que, anualmente, os sambas-enredo salgueirenses estão bem oba-oba, animadinhos, de letra precária e melodia meia-boca, contrariando a tradicional linha de sambas da escola nos tempos de outrora. Agora, finalmente falando sobre o samba: dois refrões extraordinários, com as demais partes envolventes. Estas características evidentemente já fazem de um samba-enredo algo atraente. Na minha opinião, este samba não é apenas o melhor do estilo oba-oba da história como também um dos melhores no geral. O Ita pode ter iniciado uma era chata que anda abalando os sambas-enredo da atualidade, mas que vale a pena cantá-lo e ouvi-lo, ah, isso vale!!

3B – MANGUEIRA – Samba gostoso e adorável! A letra é bela e a melodia também é de intenso agrado. Jamelão dispensa comentários! Ivo Meirelles, no LP, dá uns cacos bacanas. A faixa mangueirense de 1993 marca o uso nos discos de samba-enredo do teclado ao som de violino pela primeira vez nos trechos “E hoje linda, te vejo mais bela/Nessa passarela você explode coração“.

4B – UNIDOS DA TIJUCA – Quem ouve este samba pela primeira vez parece não se empolgar muito com o refrão principal. Porém, quando se ouve sua primeira parte, o peito estremece e o homem se curva à magia do carnaval. Os trechos “Movimento milenar/Fez dançar terra e mar/Uma flor brincou no vento/Tem poesia no ar/Deixa o vento me levar/Que no tempo eu sei voltar/Canto no céu de Acauã/Que o meu reino é o de Tupã” possuem uma das maiores melodias de todos os tempos, sem exagero! Este trecho já vale por todo o samba, pois é envolvente e, ao mesmo tempo, emocionante. O refrão central também é muito bom. No geral, é um samba cativador e sua gravação é extraordinária.

5B – UNIÃO DA ILHA – Seu refrão principal é o mais capitalista de todos os tempos. Por quê? Ora, com uma letra que diz “Compra que eu vendo alegria…“, só faltava meter a bolsa de valores no meio… Sobre o samba, sem dúvida um dos mais fracos da história da União da Ilha e sua senda de sambas-enredo maravilhosos. A melodia é gostosa, mas a letra deixa a desejar. É meio esquisita a citação feita ao piloto Nigel Mansell no samba na parte “O domador quando entra em senna não dá mole pro leão“. Na época, o leão Mansell era o principal rival de Ayrton Senna na Fórmula-1, tendo conquistado o título da temporada 1992.

6B – VILA ISABEL – Espetacular! Uma pena que este tenha sido o último samba-enredo composto por Martinho da Vila, que dispensa qualquer tipo de comentário. A melodia deste samba é de uma qualidade de maneira inacreditável: emocionante, envolvente, vibrante, cativante… Sua letra chega a lembra a do inigualável samba-enredo “Raízes” da Vila de 1987, também de autoria de Martinho, pois, em alguns trechos, as rimas estão ausentes. Este samba sem refrão levou o Estandarte de Ouro de Melhor Samba superando inclusive o Ita do Salgueiro, o que não deixa de ser um fenômeno. Ah, e Martinho cantou o samba no LP e na avenida junto com Gera com seu velho e suave estilo de sempre.

textos: Marco Maciel – sambario

Faixas

Lado A

1 G.R.E.S ESTÁCIO DE SÁ – A DANÇA DA LUA
(Wilsinho Paz/Luciano Primo) Dominguinhos do Estácio

2 G.R.E.S. IMPERTARIZ LEOPOLDINENSE – MARQUÊS QUE É MARQUÊS DO SASSARICO É FREGUÊS
(Márcio André/Alvinho/Aranha/Alexandre da Imperatriz) Preto Jóia

3 G.R.E.S. PORTELA – CERIMÔNIA DE CASAMENTO
(Wilson Cruz/Cláudio Russo/Jorginho Estrela Negra) Dedé da Portela

4 G.R.E.S. BEIJA-FLOR – UNI-DUNI-TÊ, A BEIJA-FLOR ESCOLHEU É VOCÊ
(Wilson Bombeiro/Edeor de Paula/Sérgio Fonseca) Neguinho da Beija-Flor

5 G.R.E.S. UNIDOS DO VIRADOURO – AMOR SUBLIME AMOR
(Heraldo Faria/Flavinho Machado/Gelson) Quinzinho

6 G.R.E.S. CAPRICHOSOS DE PILARES – NÃO EXISTE PECADO NO LADO DE CÁ DO TÚNEL REBOUÇAS
(Marco Lessa/Tico do Gato/Carlos Ortiz/Luisito/Carlinhos Madureira) Márcio Souto da Caprichosos

Lado B

1 G.R.E.S. MOCIDADE INDEPENDENTE DE PADRE MIGUEL – MARRAIO FERIDÔ SOU REI
(Serafim Adriano/Edu Ferreira/Antônio Andrade) Paulinho Mocidade

2 G.R.E.S. ACADÊMICOS DO SALGUEIRO – PEGUEI UM ITA NO NORTE
(Demá Chagas/Arizão/Bala/Guaracy/Celso Trindade) Quinho

3 G.R.E.S. ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA – DESSA FRUTA EU COMO ATÉ O CAROÇO
(Dirceu/Eraldo Caê/Verinha/Preto/Fernando de Lima/Ney Mattos/Bira do Ponto/Gustavo) Jamelão

4 G.R.E.S.U. TIJUCA – DANÇA BRASIL
(Dário Lima/Espanhol/Paulo Ribeiro/Azeitona) Vaguinho

5 G.R.E.S. UNIÃO DA ILHA DO GOVERNANDOR – OS MAIORES ESPETÁCULOS DA TERRA
(Bicudo/Djalma Falcão/Guará) Maurício 100

6 G.R.E.S. UNIDOS DE VILA ISABEL – GBALA – VIAGEM AO TEMPLO DA CRIAÇÃO
(Martinho da Vila) Gera/Martinho da Vila

Ficha Técnica

RCA – 206.1002
LP, Vinil

Ed. Musical Escola de Samba/BMG Arabella Ltda.
Produtor Fonográfico: Gravadora Escolas de Damba Ltda.
Co-produtor: LIESA – Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro
Direção Artística: Zacarias Siqueira
Produzido por: Laíla-Rivaldo Santos-Genaro Soalheiro

Publicado por Marcelo Oliveira

Sou carioca, mangueirense, botafoguense e apaixonado por samba. Meu objetivo com o blog sambaderaiz é divulgar o SAMBA, compartilhando meu acervo fonográfico. Que o blog seja um espaço de “Resistência Cultural” e em “Defesa da Tradição do Samba”. Forte abraço. marcelo@sambaderaiz.org

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − três =