O suburbano

Almir Guineto O Suburbano

“O suburbano” é o primeiro álbum solo do cantor e compositor Almir Guineto. Foi lançado em 1982. A faixa título é assinada pela dupla Beto Sem Braço e Aluízio Machado, seu famoso parceiro, compositores do Império Serrano.

Neste disco está presente um dos primeiros sucessos importantes de Almir, o partido “Mordomia”, com o qual Almir conquistou o prêmio Shell. Conta com a participação de Rafael Rabello no violão, que se destaca na gravação da música do lendário Geraldo Babão, “Fiz o que pude”; Geraldo também versa com Almir o partido “Sinhá Mandaçaia”. A música “Saco cheio” gerou repercussão junto à Igreja. “É, pois é” foi sucesso também com Beth Carvalho. Abaixo texto de Mauro Ferreira sobre o elepê.


Egresso dos grupos Os Originais do Samba e Fundo de Quintal, responsáveis cada um em seu estilo por momentos de renovação do samba carioca, Almir Guineto partiu para a carreira solo em 1981. Estimulado pelo sucesso de “Mordomia” (Ary do Cavaco e Gracinha), samba que defendera no festival MPB Shell 1981, Guineto entrou em estúdio para gravar seu primeiro álbum solo, “O suburbano”, lançado no início de 1982 pela Beverly/Copacabana, companhia pela qual o cantor faria ainda um segundo álbum, “A chave do perdão” (1982), de menor repercussão.

Basta ouvir “O suburbano” para perceber que o talento de Guineto desabrochou neste coeso álbum gravado há 30 anos.

“O suburbano” é um dos melhores discos de samba da década de 80. Dilapidada já há alguns anos, a voz de Guineto dava plenamente conta do recado e deu vida a um punhado de sambas da melhor qualidade. Entre eles, há um título pouco ouvido da obra de Martinho da Vila, “Madalena cabrocha bonita” [ ouça ♫ ], de cadência típica da obra do compositor. Entre samba de pique carnavalesco “Tudo acabou” [ ouça ♫ ], da lavra de Guineto com Luvercy Ernesto e partido alto “Sinhá Mandaçaia” [ ouça ♫ ], também de Guineto com o fiel parceiro Luvercy, o pagodeiro rebobina “Mordomia” [ ouça ♫ ], explora (não muito bem) a verve de “Feiosa” (Juarez e Antônio) [ ouça ♫ ] e saboreia “Mocotó com pimenta” (Geraldo Babão e Zardino) [ ouça ♫ ]. Sambista carioca ligado à história da escola de samba Salgueiro, Geraldo Babão (1926 – 1988), a propósito, tem presença destacada neste álbum de Guineto. Babão é o autor de “Fiz o que pude” [ ouça ♫ ] — grande e melodioso samba que vale o disco por si só — e o convidado do já citado partido alto “Sinhá Mandaçaia”, regravado por Elza Soares no álbum “Trajetória” (1997) com Zeca Pagodinho. Outro samba que já vale o disco é o que lhe dá nome, “O suburbano” (Beto Sem Braço e Aluízio Machado) [ ouça ♫ ], partido em que os compositores conta a história de pobretão que vira político e fica mascarado após sua eleição. Então em ótima forma como compositor, Guineto lançou em “O suburbano” dois grandes sambas de sua lavra, “É, pois é” (com Luvercy Ernesto) [ ouça ♫ ] e “Tumulto no canavial” (com Beto sem Braço) [ ouça ♫ ], partido em cuja introdução se ouve a voz não creditada de Mart’nália. “Gari padrão” (com Almir Baixinho e Diogo) [ ouça ♫ ], uma homenagem ao pessoal da “limpeza urbana” segundo o próprio Almir, na introdução do samba, Mas o sucesso radiofônico do disco foi “Saco cheio” (Dona Fia e Marco Antônio) [ ouça ♫ ]. Mesmo assim, embora seja um disco excelente, “O suburbano” não deu todo o impulso que poderia ter dado à carreira solo de Guineto. O artista somente conseguiria vendas expressivas ao ingressar na extinta RGE, gravadora por onde consolidou sua obra a partir da gravação do álbum “Sorriso novo” (1985), uma das pedras fundamentais do pagode que explodiu nos quintais cariocas nos anos 80. Só que basta ouvir “O suburbano” para mostrar que o talento de Guineto desabrochou antes, mais precisamente em 1981, neste coeso álbum gravado há 30 anos. Arranjado pelo maestro Ivan Paulo com competência, “O suburbano” é clássico precursor do boom de pagode carioca que — a partir de 1985 — projetou o samba de Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal e do próprio Guineto.

Mauro Ferreira


O suburbano

Almir Guineto (Beverly, BLP-81655, 1982) DISCO É CULTURA – Ouça no também no spotify, ou youtube

Almir Guineto O Suburbano

FICHA TÉCNICA — Gabriel O’Meara (direção de estúdio, produção, mixagem), Jorginho e Milton Manhães (co-produção), Graça D’Orio e Waldomiro (repertório), Maestro Ivan Paulo (arranjos, regência), Jorge Correa (arregimentação), Leão e Deraldo (técnicos de gravação e mixagem), Xuxa e Peninha (assistente de estúdio), gravado nos Estúdios Haway, 16 canais, Caique (fotos), Jura (arte).

MÚSICOS — Almir Guineto, Claumir, Pezão (tamborim), Birani (repique), Claumir (ganzá), Giba (tumba), Giba (tan-tan), Gordinho (surdo), Valmar (cavaco), Aldo (baixo), Helio Capucci (violão de 6), Rafael (violão de 7), Bira, Claumir, Pezão (pandeiro), Théo (bateria), Exporta Samba (coro), Geraldo Babão participação especial na música “Sinhá Mandaçaia”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *