Elizeth no Bola Preta com a Banda do Sodré

Disco Elizeth no Bola Preta

Se alguém perguntar a qualquer folião aonde se pratica a melhor música do carnaval carioca, a resposta será forçosamente: no CORDÃO DA BOLA PRETA.

Se, por acaso, e eu duvido, houver opinião em contrário, será de quem nunca pisou no BOLA ou nunca tenha ouvido o som mais alegre e carnavalesco da cidade.


Tradicional reduto de nossa maior festa popular, é lá que exibe a quentíssima BANDA DO SODRÉ, com um conjunto de metais e ritmos, que êste disco em boa hora apresenta. Gênero tipicamente carioca, a música carnavalesca dos salões aqui se mostra nas suas características de comunicação e empolgação. Situado numa sobre-loja, numa das esquinas mais movimentadas do Rio, o BOLA PRETA é responsável por um dos mais peculiares fenômenos do nosso carnaval. A música que desce ás ruas é de tal natureza vibrante, que as calçadas e as ruas vizinhas transformam-se em verdadeiros bailes populares. Ouvindo êste disco, carnavalesco ou não, ninguém fica indiferente.

A BANDA DO SODRÉ nesta gravação ao vivo, nos salões do BOLA PRETA, somou-se uma turma realmente da pesada: a começar pelo côro dos seus foliões, e mais o coral de Joab, as Cigarras, Conjunto Nosso Samba (gente boa das escolas de samba), Coristas da Madrugada. O solista, quase sempre, é o BENÉ SANTOS. Tem mais. “Sei lá Mangueira”, “Foi um rio que passou em minha vida” e “Jurar com lágrimas”, são soladas pela extraordinária cantora que é a nossa querida ELIZETH CARDOSO.

São 27 músicas que apresentam um panorama do que melhor se fêz no gênero da música carnavalesca. Sambas, Marchinhas e Marchas-Ranchos, de várias épocas, numa seleção representativa dos nossos maiores autores. De Noel Rosa a Paulinho da Viola, de Heitor dos Prazeres a João Roberto Kelly, de Lamartine Babo até Mendes, do Bloco Cacique de Ramos e tantos outros.

Se alguém perguntar a qualquer folião aonde se pratica a melhor música do carnaval carioca, a resposta será forçosamente: no CORDÃO DO BOLA PRETA

As escolas de samba comparecem: Mangueira com o seu samba de enrêdo “Um cântico à natureza”, do trio Nei, Ailton e Dilmo e “Eu agora sou feliz” de Jamelão e mestre Gato; Portela, através das músicas de seu compositor Paulinho da Viola e Salgueiro com o bonito samba, “Rosa Maria”, de Eden Silva e Aníbal Silva.

Os Blocos estão presentes: Cacique de Ramos com Mendes no empolgadíssimo Água na Boca e o Bafo da Onça, com Jujuba no seu Deixa Andar.

É realmente um presente para nós esta seleção de alegria, reafirmando o que de mais importante tem o nosso carnaval: sua música.

ALBINO PINHEIRO
contracapa


Elizeth no Bola Preta com a Banda do Sodré

Elizeth Cardoso 1970, Copacabana CLP 11626, 1970 – DISCO É CULTURA – Ouça no spotify, ou youtube

Face A: Pout-Porri – “Eu vou sambar no Bola Preta” (Roberto Sodré – Betinho – Paulo Silva Filho) / “Sei lá Mangueira” (Paulinho da Viola – Hermínio Bello de Carvalho), voz Elizeth Cardoso / “Foi um rio que passou em minha vida” (Paulinho da Viola), voz Elizeth Cardoso / “Jurar com lágrimas” (Paulinho da Viola), voz Elizeth Cardoso / “Rosa Maria” (Aníbal Silva – Eden Silva) / “Recordar” (Aloísio Marins – Adolfo Macedo – Aldacir Louro) / “Eu vou dizer” (Benê Santos – Diógenes Lima) / “Um cântico à natureza” (Ney – Aylton – Dilmo) / “Louco (Ela é seu mundo)” (Wilson Batista – Henrique de Almeida) / “Exaltação à Mangueira” (Enéas Brites – Aloísio Augusto da Costa) / “Eu agora sou feliz” (José Bispo – Mestre Gato) / “Água na boca” (Mendes) / “Deixa andar” (Jujuba).

Face B: Pout-Porri – “Marcha do Cordão da Bola Preta” (Nelson Barbosa – Vicente Paiva) / “Me dá um dinheiro aí” (Ivan Ferreira – Homero Ferreira – Glauco Ferreira) / “Marcha do gago (Tá tá tá na hora)” (Armando Cavalcanti – Klécius Caldas) / “Mulata yê yê yê…” (João Roberto Kelly) / “O teu cabelo não nega” (Irmãos Valença – Lamartine Babo) / “Joga a chave meu amor” (João Roberto Kelly – J. Rui) / “Marcha do remador” (Antônio Almeida – Oldemar Magalhães) / “Pierrot apaixonado” (Lino – Noel Rosa) / “Bandeira branca” (Max Nunes – Laércio Alves) / “Até quarta-feira” (H. Silva – Paulo Sette) / “Rancho da melindrosa” (João Roberto Kelly – Noel Carlos) / “Pastorinhas” (Noel Rosa – João de Barro) / “O primeiro clarim” (Klécius Caldas – Rutinaldo) / “Pra frente Brasil” (Miguel Gustavo)


produtor fonográfico SOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO S/A, Moacir Silva (coordenador geral), Waldomiro (assistente de produção), Norival Reis (técnico), Fernando (fotos de capa).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *