Festival de Samba volume 3 – Sambas enrêdo das escolas de samba 1970
  • "data": "27 abril 2020"
  • "título": "Festival de Samba volume 3 – Sambas enrêdo das Escolas de Samba 1970"
  • "tags": ""

Vinil com os sambas enrêdo de 1970. As gravações deste álbum foram realizadas nas quadras de ensaio de cada uma das Escolas de Samba, com aparelhagem especial para gravações ao vivo.


De 1968 (ano em que foi gravado o primeiro disco de samba-enrêdo) a 1973, era costume ser gravados dois discos: o oficial da Top Tape e o do Festival de Samba. O disco “Festival de Samba” (que trago neste post) é o melhor para ouvirmos os sambas de 1970, pois no da Caravelle, na maioria das faixas, o intérprete canta praticamente à capela o samba-enrêdo na primeira passada para depois entrar o coral e a bateria (ou batucadinha) bem animada e harmonizada com o cavaco e a cuíca. A única vantagem do disco da Caravelle em relação a esse “Festival de Samba” é que ele contém o samba da Mocidade, enquanto que o LP do Festival o substituiu por uma faixa de bateria.

Sobre as faixas…

PORTELA 70
Lendas e mistérios da Amazônia
(Catoni – Jaboô – Valtenir)
voz: Silvinho do Pandeiro
[ ouça ♫ ]

A obra-prima de 1970 da escola, “Lendas e mistérios da Amazônia”, apareceu muito bem no carnaval de 2004, quando a Portela reeditou o enredo que deu à agremiação o seu último título individualmente (a Portela seria campeã também em 1980 e em 1984, porém dividiria o campeonato com outras escolas). Já seria clichê considerar o samba de 1970 um dos melhores de todos os tempos (de fato é, mesmo) e mais óbvio ainda o eleger como o melhor samba do ano (sendo que a safra de 1970 é muito boa). Essa é a Portela e seu extenso hall de sambas-enredo lendários!

MANGUEIRA 70
Um cântico à natureza
(Aylton – Ney – Dilmo)
[ ouça ♫ ]

Ótimo samba. A primeira parte é bem lírica. O refrão depois da primeira é muito bom. E o outro depois dele é melhor ainda. A segunda parte (estou contando o refrão) é boa, mas inferior ao restante da faixa. O refrão principal é maravilhoso. Lindo samba, um dos melhores da Mangueira.

SANTA CRUZ 70
Bravura, amor e beleza da mulher brasileira
(Fausto – Paulo)
[ ouça ♫ ]

A história da Acadêmicos de Santa Cruz é bastante semelhante a do Unidos do Jacarezinho, pois assim como a agremiação do Jacaré, a Santa Cruz nunca conseguiu se manter por mais de dois carnavais na elite. Fundada em 1959, faria seu primeiro desfile apenas quatro anos depois. Em 1966, participava pela primeira vez do desfile principal (sendo conseqüentemente rebaixada). De volta em 1970, voltaria para o Grupo 2 rebaixada em último lugar. E o descenso sempre seria a amarga parceira da verde-e-branco nos demais carnavais em que desfilou entre as grandes (1985, 1990, 1992, 1997 e 2003). Sobre o samba, seu formato é bem tradicional e antigo, com uma letra didática e extensa aliada a uma melodia lírica (daquelas que, nos desfiles de hoje, a óbvia tendência seria o arrastamento), sem muitas originalidades em suas variações. Mas sambas assim são belos e, sem dúvida, despertam saudade no bamba de ouvir algo semelhante nos desfiles contemporâneos.

Pra quem pensa que a qualidade do repertório musical da Imperatriz Leopoldinense é algo recente, necessita voltar um pouco mais no tempo.

SÃO CARLOS 70
Terra de Caruaru
(Sidney da Conceição – Corvina)
voz: Sidney da Conceição
[ ouça ♫ ]

Mais um samba maravilhoso da escola oriunda do berço do samba: o bairro do Estácio. De melodia envolvente e um refrão contagiante (“Oi maracatu, maracatu…”), o hino da São Carlos de 1970 ganharia, 23 anos depois, uma regravação magistral de Dominguinhos da Estácio para a Coletânea Sony da escola. “Terra de Caruaru” é um excelente misto de samba com maracatu, como diria o mestre Jorge Ben Jor em “Mas que nada”.

JACAREZINHO 70
Fabuloso mundo do circo
(Marcos – Sarabanda)
[ ouça ♫ ]

Fundada em 1966, a escola ingressava, apenas quatro anos depois, ao desfile principal pela primeira vez. Porém, nunca conseguiria permanecer dois anos consecutivos na elite. Fora rebaixada em 1970 assim como em 1973, 1987 e 1989, quando também amargou rebaixamentos no Primeiro Grupo. Mas o belo samba de 70, de letra simples e uma doce e adorável melodia, sem dúvida se salva. A característica do samba combina bem com o enredo sobre o circo, principalmente o laralaiá que serve como refrão central e final. Em termos musicais, o Jacaré sem dúvida agradou logo de cara.

SALGUEIRO 70
Praça Onze, carioca da gema
(Eduardo de Oliveira – Silvio de Silveira – Onildo Neves – Miro Silva)
voz: Silvinho do Pandeiro

Numa entrevista a Sérgio Cabral, o lendário carnavalesco do Salgueiro na época Fernando Pamplona considera o samba da escola de 1970 fraco. Bem, tá certo que ele é muito inferior aos anteriores da agremiação, mas que é um samba agradável de se ouvir, isso é! “Praça Onze, carioca da gema” é um samba-enredo de fácil canto. Sua primeira parte possui uma melodia tradicional. Já na segunda a animação prevalece, pois os dois refrões em forma de cantiga proporcionam o convite para cair no samba. O mesmo “Abre a roda meninada que o samba virou batucada” seria utilizado sete anos mais tarde pela Vila Isabel.

IMPERATRIZ 70
Oropa, França e Bahia
(Matias de Freitas – Carlinhos Sideral)
voz: Matias de Freitas
[ ouça ♫ ]

A dupla Matias de Freitas e Carlinhos Sideral repetiria o sucesso do extraordinário samba de 1969 compondo, para o carnaval seguinte, uma obra-prima que em nada deve ao samba anterior. Se “Brasil, flor amorosa de três raças” é um samba romântico e um dos mais líricos da história do carnaval, “Oropa, França e Bahia” já é um de melodia mais envolvente e cativante, de excelentes variações. Pra quem pensa que a qualidade do repertório musical da Imperatriz Leopoldinense é algo recente, necessita voltar um pouco mais no tempo

IMPÉRIO SERRANO 70
Arte em tom maior
(Aidno de Sá – M. Nina Rodrigues – J. Lucas)
[ ouça ♫ ]

Samba bem identificado com a Império Serrano de 30 para 40 anos atrás: o larará que introduz o samba, mais uma letra poética acoplada a uma melodia envolvente e bastante tradicional, sem qualquer originalidade. Mas é um bonito samba.

VILA ISABEL 70
Glórias gaúchas
(M. da Vila)
[ ouça ♫ ]

A primeira parte (os dois refrões) é maravilhosa. A segunda também. O refrão central também é de excelente qualidade. Já do refrão principal não gosto muito, apesar de apreciá-lo… Mas esse samba de Martinho da Vila é um dos melhores da Vila Isabel.

RITMOS
[ ouça ♫ ]


Festival de Samba volume 3 – Samba Enrêdo 1970

1970, Relevo (RV-203)
DISCO É CULTURA

Festival de Samba volume 3 – Sambas enrêdo das escolas de samba 1970

FICHA TÉCNICA — Expedito Alves e Nilton Valle (produção)

Considerações finais

Espero que você tenha gostado desse post com o álbum dos sambas-enredo de 1970 lançado pela Relevo (Festival de Samba). Se assim for, encorajo você a se inscrever no blog sambaderaiz abaixo. Ao informar seu email, você receberá todas as novas publicações do blog automaticamente.

Você também pode obter atualizações dos posts mais recentes, agregando o RSS do blog a seu leitor de feeds ou seguindo-me no Twitter. Quer fazer alguma observação sobre o álbum? Deixe-nos saber na área de comentários abaixo 🙂 Para fazer uma BUSCA no blog, clique nesse link. Forte abraço, Marcelo.