Guilherme de Brito 1980
  • "data": "11 abril 2020"
  • "título": "Guilherme de Brito (1980)"
  • "ano/gravadora": "1980, Eldorado"
  • "tags": ""

Primeiro Lp solo de Guilherme de Brito, lançado em 1980 pelo selo Eldorado é o álbum que trago neste post. No disco, muitas parcerias de Guilherme com Nelson Cavaquinho.


Não deve ser fácil produzir música com Nelson Antônio da Silva. Não deve? Muito melhor escrever que não pode. Parece quase impossível porque os talentos imanentes, daqueles que transbordam através da pele embora o mundo, muitas vezes, nem se aperceba disso, os talentos imanentes, eu dizia, são complexos e não comportam parcerias. Se alguém não sabe, Nelson Antônio da Silva prefere responder pelo nome de Nelson Cavaquinho. Pois com ele, com sua voz de eterno gripado, com seu violão dedilhado apenas com o indicador da mão direita, como se a carne fosse uma palheta, com a sensibilidade maravilhosa de Nelson, um cigano urbano, carioca, 68 anos de idade, outro carioca de estirpe juntou seus trapos musicais.

Filho de violonista, irmão de violonista, funcionário trinta anos da Casa Edison, formidável patrocinadora da música popular brasileira no começo do século, Guilherme de Brito Bolhorst, capricorniano de 1922, encaixou-se ao estro de Nelson com uma perfeição de santo. O que eles fizeram, em três décadas de grande amizade e trabalho comum? Basta um leve passeio por seu repertório para definir sua importância: “Quando Eu me Chamar Saudade” (sei que amanhã, quando eu morrer/ os meus amigos vão dizer/ que eu tinha bom coração), “Amor Perfeito” (o amor é como a dor/ que nasce e morre/ quando não se espera), “Gotas de Luar” (se eu pudesse roubar/ as gotas de luar/ que vi brilhar nos olhos teus/ guardava aquele encanto/ pra enfeitar meu pranto/ na hora do adeus), “A Vida” (se viver é bom/ como é que a vida diz/ tens de sofrer/ prá ser feliz), “Não É Só Você” (escondo a minha dor/ pois eu não sei o mal que fiz), “Folhas Secas” (quando eu piso em folhas secas/ caídas de uma mangueira/ penso na minha escola/ e nos poetas/ de minha Estação Primeira), “Mulher sem Alma” (fui tão bom prá ela/ dei meu nome a ela), “A Flor e o Espinho” (tire o seu sorriso do caminho/ que eu quero passar com a minha dor).

Interrompi o trajeto para que o passeio fosse, mesmo, bem leve. Não é justo que minha incontrolável empolgação com a genialidade (enfim, voltei a usar a palavra maldita!) de Nelson e Guilherme seja transmitida, apenas, por meio de um alinhavar de versos sensacionais. Primeiro, debaixo deste papel há um lindo disco a ouvir. Segundo, o lindo disco a ouvir pertence, acima de tudo, ao nobre talento de Guilherme de Brito – o primeiro disco em três décadas de carreira , quem diria. Entre parênteses: Nelson Cavaquinho também padeceu quase toda a sua vida de um anonimato discográfico, do qual só foi resgatado, há seis anos, pelo mesmo obstinado produtor artístico que se responsabilizou pela excelente qualidade deste Lp.

Muito bem. Paremos aqui. Eu não pretendia cair nas minúcias – uma contracapa não é a sede ideal para críticas ou comentários. Neste espaço se fazem, creio eu, homenagens públicas a quem merece. Homenagens comovidas, sim, mas rápidas. Pois o brilho da obra de Guilherme (com ou sem Nelson Cavaquinho), a intensidade de seu canto, a riqueza de suas interpretações, ah, esses precisam ser saboreados sem muitas explicações . E depressa. Para que o prezado ouvinte possa repetir a experiência duas, dez, mil vezes. A sua sensibilidade merece

Silvio Lancelotti
contracapa


Guilherme de Brito

1980, Eldorado (15.79.0341)
DISCO É CULTURA

REPERTÓRIO

Me Esquece
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo), bolão (flauta)
[ ouça ♫ ]

não pense
que o seu sorriso vai me trazer a paz
com a maldade que você me faz
meu coração não lhe aceita mais

eu sinto
que o nosso amor hoje caiu no esquecimento
seus olhos só querem ver meu sofrimento
enquanto
você sorri eu vou chorando em minha prece
implorando ao criador
p’ra ver se você, me esquece

Minha Paz
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Izaías (bandolim), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo)
[ ouça ♫ ]

oh, meu Deus
por que eu sou tão infeliz?
não sei qual foi o mal que fiz
para sofrer tanto assim
tenha pena de mim
foi sofrendo
que eu perdi a mocidade
buscando a felicidade
que sempre foges de mim

nem no amor
eu consigo encontrar minha paz
só dissabor
é o que vida me traz
se eu errei
e não mereço ser perdoado
quero ter com esta provação
a resignação

A Flor e o Espinho
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito – Alcides Caminha
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Izaías (bandolim), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo), Edson (flauta)
[ ouça ♫ ]

tire o seu sorriso do caminho
que eu quero passar com a minha dor
hoje pra você eu sou espinho
espinho não machuca a flor
eu só errei quando juntei minha alma à sua
o sol não pode viver perto da lua

é no espelho que eu vejo a minha mágoa
a minha dor e os meus olhos rasos da água
e eu na sua vida já fui uma flor
hoje sou espinho em seu amor

Minha Solidão
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo), Edson (flauta)
[ ouça ♫ ]

agora é que eu paro pra pensar
mas deixa a vida caminhar
é muito tarde pra pedir perdão
o amor eu maltratei no meu passado
quanto peito magoado
há de sorrir da minha solidão
bem sei que é por isso que padeço
com o desprezo que mereço
dos corações que tanto magoei
que Deus perdoe os pecados meus
porque a vida está me dizendo adeus

sei que já paguei
os erros do passado
tanto desprezei,
que vivo desprezado
só o que desejo,
agora no meu fim
é que alguém venha
chorar por mim

Meu Dilema
Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Izaías (bandolim)
[ ouça ♫ ]

a lágrima e o sorriso
muito se assemelham
sentimentos que espelham
um prazer, uma agonia
muitas vezes, há um mal a nos ferir
e nós temos que sorrir
outros choram de alegria

a lágrima e o sorriso
andam de braços dados
e são sempre convidados
para a festa e o dissabor
quem vê um pássaro cativo
sempre gorjeando
não imagina que ele está chorando
como eu, cantando a minha dor

quando no calvário
o Nazareno caminhou
entre lágrimas, sorriu
pelo dever cumprido
e o seu algoz
que até a boca gargalhou
chorava, seu pranto arrependido

e no meu dilema
onde o destino caprichou
beijando meu amor
confundindo as expressões
aquela a quem eu amo
a outro pertenceu
sorrir por ter o que não me pertence
chorar por não ter aquilo que é só meu

Pranto de Poeta
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Felpudo (trombone), Israel de Almeida (violão), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo)
[ ouça ♫ ]

em Mangueira
quando morre
um poeta
todos choram
vivo tranquilo em Mangueira porque
sei que alguém há de chorar quando eu morrer

mas o pranto em Mangueira
é tão diferente
é um pranto sem lenço
que alegra a gente
hei de ter um alguém pra chorar por mim
através de um pandeiro ou de um tamborim

Quando Eu me Chamar Saudade
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Izaías (bandolim), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo)
[ ouça ♫ ]

sei que amanhã quando eu morrer
os meus amigos vão dizer
que eu tinha um bom coração
alguns até hão de chorar
e querer me homenagear
fazendo de ouro um violão

mas depois que o tempo passar
sei que ninguém vai se lembrar
que eu fui embora
por isso é que eu penso assim
se alguém quiser fazer por mim
que faça agora

me dê as flores em vida
o carinho, a mão amiga
para aliviar meus ais
depois que eu me chamar saudade
não preciso de vaidade
quero preces e nada mais.

Rosa do Mato
Guilherme de Brito – Pedro Caetano
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo), bolão (flauta)
[ ouça ♫ ]

sai da minha palhoça
podes ir pra cidade
carrega a minha esperança
mas deixa a tua saudade
sei que já não te importa
viola calada, presa na parede
e que já não suportas
a passarada e o conforto da rede
minha rosa vaidosa
vai ser triste o teu fim
uma flor quando nasce no mato
não vive um jardim

não serei o primeiro
a sofrer a tristeza
da solidão
muita gente viveu
e sofreu como eu
esta desilusão
eu lamento somente é saber
qual será teu desastroço fim
uma flor quando nasce no mato
não vive um jardim

Mulher sem Alma
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Felpudo (trombone), Israel de Almeida (violão), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo)
[ ouça ♫ ]

fui tão bom pra ela
dei meu nome a ela
tudo no princípio eram flores
sem saber que eu era demais
entre seus amores
quase passei fome
para honrar seu nome
tropecei nos erros
de uma mulher sem alma
mas não perdi a calma

eu não sei por que isto acontece
em minha vida
mais uma ferida
no meu peito a sangrar
só a minha fé
é que me traz consolação
pra tanta humilhação
que eu vivo a suportar

Traço de União
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Izaías (bandolim), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo)
[ ouça ♫ ]

Deus que te ajude e perdoe o teu pecado
nunca é tarde pra se pedir perdão a Deus
é grande o teu erro, me revolto em pensar
somente Deus pode te perdoar

fugiste do dever daquela hora tão sagrada
és a mãe desnaturada
mataste o fruto de um amor, de uma grande paixão
sem ver que destruías nosso traço de união

Folhas Secas
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo)
[ ouça ♫ ]

quando eu piso em folhas secas
caídas de uma mangueira
penso na minha escola
e nos poetas da minha Estação Primeira
não sei quantas vezes
subi o morro cantando
sempre o sol me queimando
e assim vou me acabando

quando o tempo avisar
que eu não posso mais cantar
sei que vou sentir saudade
ao lado do meu violão
da minha mocidade.

O Bem Querer
Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito
Dino 7 Cordas (violão 7 cordas), Israel de Almeida (violão), Jorginho (pandeiro), Nelsinho (cavaquinho), Theo (ritmo), Edson (flauta)
[ ouça ♫ ]

vou me modificar,
não vou mais amar
não vou mais sofrer,
chega de sofrimento
e de perder tempo
com o bem querer
se estou feliz sozinho
surge em meu caminho,
nova ilusão
eu vou me derretendo
e quem sai perdendo,
é meu coração
se um novo amor se aproximar
vou me esconder,
vou deixar passar
sei que pra mim só vem
mais um bem querer
que não me quer bem


FICHA TÉCNICA — PRODUÇÃO: J.C. Botezeli / COORDENAÇÃO ARTÍSTICA: Aluisio Falcão / ASSISTENTE DE PRODUÇÃO: Sergio Botezeli Valério / ARRANJOS E REGÊNCIA: Maestro Horondino José da Silva (Dino) / TÉCNICO DE GRAVAÇÃO: Luiz Carlos Batista / CORO: Aeloa / FOTO: Severino / CAPA: Ariel Severino.

Considerações finais

Espero que você tenha gostado desse post com o álbum de Guilherme de Brito, maior parceiro de Nelson Cavaquinho, lançado em 1980 pelo selo Eldorado. Se assim for, encorajo você a se inscrever na newsletter do blog, abaixo. Ao informar seu email, você receberá todas as novas publicações do blog automaticamente.

Você também pode obter atualizações dos posts mais recentes, agregando o RSS do blog a seu leitor de feeds ou seguindo-me no Twitter. Quer fazer alguma observação sobre o álbum? Deixe-nos saber na área de comentários abaixo 🙂 Para fazer uma BUSCA no blog, clique nesse link. Forte abraço, Marcelo.