Pérola Negra

Pérola Negra

Depois de participar com três composições no disco “Raça Brasileira”, lançado em 1985, Jovelina Pérola Negra foi contratada pela RGE, lançando no ano seguinte seu primeiro álbum solo “Pérola Negra”: um grande sucesso de vendas — mais de 200 mil cópias — que confirmou a nova força que o samba carioca começa a ganhar na época.


A seguir um texto do jornal O Globo (5 de abril de 1990) abordando o início de carreia de Jovelina.

Da infância em Belford Roxo a consagração

Da infância em Belford Roxo até o posto de sucessora de Clementina e de Dona Ivone Lara, muita coisa aconteceu na vida desta carioca de 45 anos. Trocou o nome de batismo, Farias Belfort, pelo pseudônimo artístico Pérola Negra, foi babá, lavadeira, vendedora de lingüiça e ‘banqueteira’, freqüentou rodas de pagode nos subúrbios para “espantar a tristeza” e assistiu ao renascer do samba através de um novo estilo, onde conseguiu a consagração imediata.

Adorada pelo público, Jovelina mantém, apesar do sucesso, os mesmos hábitos adquiridos durante toda sua vida . Sua grande paixão por Bezerra da Silva, o que a deixava sempre insegura quando começou a se aproximar do ídolo, serviu de lição para que Jovelina sempre deixe seu público à vontade em seus shows.

Depois de passar vários anos freqüentando saraus ao lado de grandes pagodeiros, Jovelina teve no despontar de nomes como Almir Guineto e Zeca Pagodinho a chance para se firmar na música brasileira. Com o primeiro LP — Pérola Negra —, ela já emplacava sucessos como “Menina Você Bebeu”, “Bagaço da Laranja” e “Feirinha da Pavuna”. Logo depois, foi a vez do disco “Um Sorriso Aberto”, onde se destacou principalmente a música título.

Neste seu primeiro disco-solo, Jovelina se mostra inteira, brincando com as notas musicais nos pagodes que vem apresentando

contracapa

Celebrada como cantora e excelente compositora, apesar de não tocar nenhum instrumento, Jovelina conseguiu em poucos anos de carreira marcas de fazer inveja a qualquer veterano , como os dois discos de ouro recebidos e as apresentações em diversos países, como Estados Unidos, Itália e Argentina.

A chegada de Jovelina Pérola Negra no cenário musical, ano passado no LP “Raça Brasileira“, esbanjando sua ginga nos bem bolados versos de “Pomba-Rolou“, “Feirinha da Pavuna” e “Bagaço de Laranja“, ela soube chegar devagarinho, agradar e ser bem recebida pela comunidade do samba. Através de sua simpatia, humildade e grande espontaneidade, onde sempre desponta um largo e bonito sorriso, ela tem feito bonito até mesmo nas mais descompromissadas rodas de pagode.

Mas agora a conversa é em outro nível. Neste seu primeiro disco-solo, Jovelina se mostra inteira, brincando com as notas musicais nos pagodes que vem apresentando . Para nós, que lutamos pela preservação de nosso ritmo, que volta a ser mais notado, sua presença é muito importante. Tenho certeza de que não estou só nesta torcida para que este seja um início de louros para sua vida, pois você merece. Você emociona, seja cantando ou conversando. De qualquer maneira que não resta a menor dúvida.

Mundo do samba
contracapa


Pérola Negra

Jovelina Pérola Negra 1986, RGE (308.6107)
Ouça o álbum no spotify ou itunes
DISCO É CULTURA

REPERTÓRIO

O Dia Se Zangou
Ratinho – Mauro Diniz
[ ouça ♫ ]

em virtude do tempo hoje não há futebol
veio uma chuva de vento, e levou pra bem longe o sol
o que se vai fazer à tarde sem lazer
numa noite tão boa
e eu, esperei lua cheia

quem pensou em passar o final de semana
deitado na areia de Copacabana, também se enganou
é! quem pensou no pagode do Para Quem Pode
já viu que não pode ficou na saudade, o tempo fechou
bem cedo anuviou o céu escureceu
o dia se zanbou, então choveu, choveu
temporal baixou e a cidade se alagou

Pagode no Serrado
Zeca Sereno – Marquinhos Pagodeiro
[ ouça ♫ ]

o Lara
cadê Clementina de Jesus?
ah, jesus, cadê Dona Ivone?
eu disse o Lara

Dona Ivone foi à feira
comprar a farinha e o salgado
encontrou com Dona Neuma
já com o limão preparado
Clementina de Jesus preparava o feijão
enquanto a rapaziada esquentava o pagode com esse refrão
o Lara

Dona Ivone já voltava da feira
com Dona Neuma do lado
encontraram a Dona Zica
que já subia o serrado
se o pagode estava bom
ficou melhor e mais certo
pois junto com a Dona Zica
chegava Monarco
e mestre Aniceto
o Lara

com o pagode bom de fato
já estava pronto o feijão
chegava Guará e Almir
e Beth sambava com o pé no chão
a roda estava formada
e o samba tocado na palma da mão
com batuques e versados
foi a noite inteira com esse refrão
o Lara

Boogie-Woogie da Favela
Serginho Meriti
[ ouça ♫ ]

quem é esse cara que pintou na área
com força na goela
quem é?
é boogie woogie da favela

boogie woogie da favela apelido era a vera por ser vacilão
tremendo conversa fiada e otário no morro não se cria não
foi ai que a malandragem ficou sem sacar que figura é aquela
é boogie woogie da favela

com o cabelo molhado de chuva ele mete uma luva e diz que é “new wave”
o nome do cara é Davi mas o prego só quer se chamado de Deivid
parece até que esqueceu que a porta bandeira é verde e amarela
é boogie woogie da favela

só usa roupa colorida, só transa comida natural
ele diz que odeia pandeiro, que é baixaria fundo de quintal
só gosta de danceteria, acorda meio dia com o sol na janela
é boogie woogie da favela

ele some uma semana toda cheio de enfeites
com a mala cheia de muamba, ele diz que foi fazer compra nos “esteites”
cada vez mais assumido, qualquer dia desses ele vira ela
é boogie woogie da favela

Preparado da Vovó
Jovelina Pérola Negra – Zeca Sereno – Tatão
[ ouça ♫ ]

eu tomei um preparado
do tempo da minha vó
vovó que veio de longe
vovó do Gericinó

o meu cabelo arrepiou
senti um calafrio na sola do pé
eu babei que nem boi brabo
na quebrada da maré
continha cipó caboclo, carquejo e macaé
tinha o tal de pinhão roxo, pau pereira e capilé
(que amargou)

que amargou meu paladar
que amargou

(no fogão de barro)
no fogão de barro
panela de ferro, fumaça subia
no gongá Vovó Maria lembrava
mas lembrava do tempo do cativeiro
já fazia o preparado
um feitiço no terreiro
(que amargou)

que amargou meu paladar
que amargou

Menina Você Bebeu…
Beto Sem Braço – Acyr Marques – Arlindo Cruz
[ ouça ♫ ]

menina você bebeu, demais
menina você bebeu, bebeu de mais

para de beber cachaça
que a sua desgraça pode estar aí
você já esta com o seu nome na praça
quando você passa todo mundo ri
mas você so quer beber e beber te cair

lá na vendinha do Chico
eu vi o fuxico que você armou
matou três garrafas bebendo no bico
depois pagou mico e como vacilou
quem mandou você beber, bebendo se acabou

sai daqui de Madureira para ir beber no Brás

tem apenas vinte anos mas parece muito mais

tá perdendo a beleza e até o seu cartaz

sempre toma mais de uma, uma só não satisfaz

tá bebendo aguardente, qualquer dia e aguarraz

Água de Poço
Jovelina Pérola Negra
[ ouça ♫ ]

eu caio e levanto cambaleando por este mundo afora
que saudade que eu tenho dos tempos de Nova Aurora

daquela vacaria do carro de boi do Zé Caroço
e do fogão de lenha pra mod’esquentar nossa água de poço

pra mod’esquentar, ô, nossa água de poço
pra mod’esquentar, ô, nossa água de poço

(minha mãe)
mamãe ia colher batata doce e aipim
papai chegava com um feixe de lenha no dorso

Laços e Pedaços
Wilson Moreira – Nei Lopes
[ ouça ♫ ]

oh Deus!
já que meu erro não merece o teu perdão
venho propor humildemente
uma solução
rasga
meu peito em dois pedaços
ou desenlaça esses dois laços
um dos dois, um laço apenas
pois assim tu me condenas
a morte por amor
bem mais amena

tento afogar minhas penas nas águas serenas da ilusão
naveguei noites a frio nos mares bravios da paixão
hoje suplico ao Senhor
faz um só desses dois laços
ou rasgue meu coração em dois grandes pedaços

Rabo de Saia
Monarco – Betinho da Balança
[ ouça ♫ ]

quem quiser rabo de saia
vai buscar noutro lugar
no terreiro da vovó
esse nego não vai se criar

quando uma moça balança
o nego avança e vai segurar
mas se for perna de calça
ele nem sai do lugar
vovó só tá espiando
esse nego aproveitador
qualquer dia ele toma um sueiro
e sai do terreiro naquela de horror

vovó veio do cativeiro
pra fazer a caridade
mas não quer filho de terra
abusando da sua bondade

ela é da Bahia, ela é feiticeira
ela venceu demanda
respeitada na mesa de umbanda
e em todo lugar
vovó falou que vai dar um coro nesse fim de feira
eu só sei que de qualquer maneira
esse nego vai ter que pagar

ele tem que pagar
esse nego, ele tem que pagar
ele tem que pagar
esse nego, vai ter que pagar

Maria Tristeza
Paulo Vizinho – Jorge Professor
[ ouça ♫ ]

ao ouvir o surdo ela desceu
Maria da Silva Tristeza
vivendo em seu humilde barracão
mergulhada na imensa solidão
um sorriso em seus lábios brotou, brotou
quando a escola de samba começou

Maria cantava, Maria chorava, Maria sorria
trocando a sua tristeza
por uns momentos de alegria
esqueceu de tudo
se entregou ao Carnaval
foram apenas três dias para sua alegria chegar ao final
chegou quarta-feira, tudo era cinza, tudo se acabou
pois a alegria da Maria terminou
tirou a sandália, voltou para o morro e sentou-se à mesa
volto-se a chamar
Maria da Silva Tristeza

Camarão com Xuxu
Nei Lopes
[ ouça ♫ ]

saco cheio de todo domingo
comer carne assada e macarrão
resolvi fazer um ensopado
de xuxu com camarão
peguei bolsa forrei a carteira
me mandei pra Praia de Mariambú
mas fiquei na intenção
camarão tá caro pra xuxu

seu encreca ficou no desejo
de comer badejo com pirão
com pimenta, com coentro, com cheiro
no molho do camarão
a maré hoje não tá pra peixe
não tá pra sardinha, nem pra baíacú
quanto mais pra camarão
camarão tá caro pra xuxu

o dinheiro que eu tinha no bolso
para fazer almoço meu irmão
só deu mesmo para aquilo de sempre
mais a cana e o limão
fui pra casa de barriga cheia
suei com a garrafa velha da pitú
onde eu era o camarão
camarão tá caro pra xuxu

Chora Viola
Adilson Torquato – Valdomiro
[ ouça ♫ ]

chora viola
olha a bamba da rodada do partido alto

viola o teu som entrou nos meus ouvidos
é ré bemol é o sustenido
olha que barato na batida do pandeiro
vai mandando aquele papo, bom partideiro
se eu pego na viola e falo mais alto
olha a bamba da rodada do partido alto

a minha viola é madeira de pinho
sempre acompanhada de um bom cavaquinho
ela deita e rola em qualquer butequim
se o recado é bom ela manda pra mim
se eu pego na viola e falo mais alto
olha a bamba da rodada do partido alto

É Isso que Eu Mereço
Jovelina Pérola Negra – Zeca Sereno
[ ouça ♫ ]

um dia me trata direito
no outro amanhece pelo avesso
eu pergunto a você, meu bem
é isso que eu mereço?

sou tranquila, sou serena
na roda de samba chego devagar
digo de verso de improviso
a quem me desafiar
só em casa não consigo
manter a situação
quem me esculacha sem verso
é quem mais manda no meu coração

o que você prometeu
ficou só no prometido
diz que é cobra venenosa
e não dá certo comigo
solta os bichos a toda hora
só pra me botar defeito
tenha santa paciência
isso não está direito


FICHA TÉCNICA — PRODUÇÃO E DIREÇÃO: Milton Manhães / COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO: Marcos Salles / ARRANJOS E REGÊNCIAS: Mauro Diniz / TÉCNICOS DE GRAVAÇÃO: Claudio Farias e Anibal Félix / AUXILIARES DE GRAVAÇÃO: Edson Brandão, Rob e Paulo Cesar / TÉCNICO DE MIXAGEM: Edson Brandão / GRAVAÇÃO: Estúdios da Transamérica, no Rio de Janeiro, no mês de Março de 1986 / MÚSICOS: Não informados no LP / FOTO: Oskar Sjstedy / ARTE FINAL: Oswaldo de Souza / DIREÇÃO DE ARTE: Wilson Santos

Considerações finais

Espero que você tenha gostado desse post com o primeiro álbum de Jovelina Pérola Negra — PÉROLA NEGRA —, lançado em 1986 pela RGE.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *