Raízes da Mangueira

Raízes da Mangueira

“Raízes da Mangueira” – Memorável reunião dos grandes nomes da mais famosa escola de samba carioca, como Nelson Sargento, Xangô, Cartola, Jurandir, Babaú da Mangueira e Nelson Cavaquinho em músicas imperdíveis. Verso com texto de João Roberto Kelly e Waldinar Ranulpho.


ESTE DISCO É UM TESOURO

A idéia de fazer um LP com músicas da Mangueira não é de ninguém, é do povo e de toda gente que ama o samba e que, obviamente, ama “A Mais Querida“. Então, o que foi que a produção desde disco da COPACABANA realizou? Traduziu com carinho e entusiasmo a vontade geral.

Reunidos alguns dos maiores compositores da Mangueira, o trabalho de seleção musical foi dificílimo. Nós queríamos colocar no disco os sambas mais bonitos que a Mangueira já deu ao público. Mas o disco tem somente 12 faixas e a Mangueira tem muito mais que 200 jóias musicais, todas elas dignas de uma seleção. Então, selecionamos 11 e mais algumas, reunidas em um “pout-pourri” que, aliás, é a primeira faixa do disco. Estou convencido que este LP será o primeiro de uma série, porque o que ficou de fora em termos de música, “não esta no gibi”.

Vamos ouvir esse disco e curtir de perto o calor dos sambas sensacionais que ficaram gravados para a posteridade. A meu ver, o que vocês tem em mãos não é bem um disco e sim um depoimento redondo, em forma de samba, de um dos maiores tesouros da música popular brasileira: A Estação Primeira de Mangueira.

João Roberto Kelly
(Rio da Samba)

RAÍZES DA MANGUEIRA

Isso tinha que acontecer. Raízes da Mangueira é mais que um LP. É uma jogada pá legal mesmo. Aqui estão reunidas composições do que há de melhor e de mais autêntico na mais querida escola de samba de todos os tempos. Mas também não há dúvidas de que a verde-rosa tem muito mais a dar. Porque a velha “Manga” é inesgotável. E, possivelmente, depois desta jogada, outras obras de bons pagodeiros da Estação Primeira serão lançados em cena.

Vamos ouvir esse disco e curtir de perto o calor dos sambas sensacionais que ficaram gravados para a posteridade

É aqui — e é assim — que o samba caminha para a sua verdadeira posição diante do povo. Muitas coisas boas como as que se encontram em “Raízes da Mangueira“, já era conhecida. Mais conhecida apenas dentro de um círculo fechado, de privilegiados. Acontece que o samba tem direito a um público muito maior, no Brasil e no mundo. O trabalho desses poetas populares tem que possuir lugar garantido nas discotecas das pessoas de bom gosto musical. Não precisa ser um pagodeiro autêntico para “checar” o assunto, porque o micróbio do samba esta contaminando com facilidade aqueles que pensavam permanecer imunes ao nosso mais gostoso ritmo — o samba. “Raízes da Mangueira” tem o sabor verde-rosa. Suas músicas, bem selecionadas, ouvidas com atenção vão fazer muita gente sacodir a carola com vontade. Morrem no embalo. Confiram e depois me digam se é ou não pá legal.

Waldinar Ranulpho


Raízes da Mangueira

1973, Som (SOLP 40.314) – Ouça no spotify, youtube ou itunes
DISCO É CULTURA

Raízes da Mangueira

REPERTÓRIO

Lado A:
1. Pout-pourri — cantam: Babaú, Cartola, Zagaia, Jurandir, Nelson Sargento, Sobrinho e Xangô
1a. Capital do samba (José Ramos)
1b. Exaltação à Mangueira (Enéas Brites – Aloísio Augusto da Costa)
1c. A Mangueira é muito grande (Ataliba)
1d. Sempre Mangueira (Nelson Cavaquinho – Geraldo Queiroz)
1e. Semente do samba (Hélio Cabral)
1f. Boa noite (Padeirinho)
2. Rio antigo (Hélio Turco – Cícero dos Santos – Pelado da Mangueira) — canta: Jurandir
3. Exaltação à Villa-Lobos (Jurandir da Mangueira – Claudio) — canta: Jurandir
4. Jequitibá do samba (José Ramos) — canta: Xangô
5. Itapoan (Prego) — canta: Xangô
6. Alegria (Cartola) — cantam: Babaú, Cartola, Zagaia, Jurandir, Nelson Sargento e Xangô

LADO B:
1. Mangueira (Xangô) — canta: Jurandir
2. A Mangueira não morreu (Zagaia) — canta: Zagaia
3. Casa grande e senzala (Zagaia – Comprido – Leléo) — canta: Zagaia
4. Cântico à natureza (José Bispo – Nelson Matos – Agenor Lourenço) — canta: Sobrinho
5. Estou vivendo na floresta (Babaú – Chiquinho) — canta: Babaú
6. Tenha pena de mim (Ai meu Deus) (Cyro de Souza – Babaú) — canta: Babaú


FICHA TÉCNICA — Waldomiro João de Oliveira (coordenador de produção), João Roberto Kelly (supervisor musical), Norival Reis (técnico de gravação), Studios Hawai – Rio de Janeiro, Rogério Décio Gauss Jr° (corte), Ciro Ney (capa)

Considerações finais

Espero que você tenha gostado desse post com o álbum “Raízes da Mangueira”, contendo em seu repertório sambas clássicos da “Mais querida”. Se assim for, encorajo você a se inscrever no blog sambaderaiz abaixo. Ao informar seu email, você receberá todas as novas publicações do blog automaticamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *