Zé Keti 1973
  • "data": "1 maio 2020"
  • "título": "Zé Keti (1973)"
  • "tags": ""

Zé Kéti, uma das figuras centrais do espetáculo Opinião, de 1964, no qual além de atuar era compositor da música-título e de outras do espetáculo, tais como “Diz que fui por aí” (com Hortênsio Rocha) e “Malvadeza durão”, lança o elepê que trago neste post: “Opinião, Diz que fui por ai, Malvadeza durão, Mascarada, Acender as velas e outros sucessos de Zé Keti” (Itamaraty/CID), que, como o próprio título quilométrico anuncia, era um disco de sucessos, cantados na voz suingada de Zé Kéti.


A seguir transcrevo o texto da contracapa do disco, assinado por Paulinho da Viola.

Conheci Zé Keti pessoalmente em 64, quando da criação do Zicartola, um restaurante na Rua da Carioca que reunia boêmios, sambistas, intelectuais, artistas. Enfim, todos aqueles que gostavam de ouvir os sambas do apóstolo Nelson Cavaquinho, do divino Cartola, de Elton Medeiros e de outros compositores que se dirigiam prá lá todas as noites.

Zé Keti fazia um sucesso tremendo quando cantava “Diz que fui por aí” (com Hortêncio Rocha), “Acender as velas” [ ouça ♫ ], “Opinião” [ ouça ♫ ], “Mascarada” [ ouça ♫ ], “Malvadeza durão” [ ouça ♫ ], “Peço licença” [ ouça ♫ ], sambas inesquecíveis do seu vastíssimo repertório [e autoria] aqui regravados com extrema felicidade. Gostaria de dizer que devo a ele o fato de voltar-me com maior carinho para a composição. Porquanto toda vêz que saímos juntos. Êle me obrigava a mostrar o meu repertório composto de uns três e quatro sambas que eu morria de medo de cantar.

Naquele ano êle formou um conjunto chamado “A Voz do Morro” (título de um samba seu muito conhecido) que gravou três discos que são vendido até hoje. Foi nêsses discos que tive a chance de gravar minhas primeiras músicas. O Show Opinião, no qual ele participava ao lado de Nara Leão e João do Valle, era êxito absoluto, fazendo com que êle fosse o compositor mais discutido da época. De lá pra cá vem enriquecendo a música popular brasileira com belíssimas páginas como “Máscara negra” uma marcha que todo o Brasil conhece, sucesso do Carnaval de 67.

Era impressionante a surpresa que ele preparava com os seus sambas: um estilo inconfundível. Uma harmonia que nos desarmava e que ás vezes levávamos horas para descobrir. Keti meu irmão, autor de muitos sucessos de nossa querida Portela, como “Velha jaqueira”, “Rugendas”, “Portela feliz”. Retorna nesse LP onde lança três músicas novas: Praça 11 berço do samba [ ouça ♫ ] — Drama universal [ ouça ♫ ] Em tempo (com Hortêncio Rocha) [ ouça ♫ ]. Sendo que “Drama Universal” com todo o jeito de alcançar sucesso rapidamente. Brevemente teremos tôdos eles sob domínio popular e o menino José Flores de Jesus, mais conhecido como Zé Keti, sorrindo seu amor e dizendo “Estou aqui minha gente…” como sempre faz um verdadeiro sambista.

Paulinho da Viola

Completam o repertório do elepê “Madrugada” [ ouça ♫ ], “Nêga Dina”/”Diz que fui por ai” essa com Hortêncio Rocha [ ouça ♫ ] e “O meu pecado” [ ouça ♫ ].


Opinião, Diz que fui por ai, Malvadeza durão, Mascarada, Acender as velas e outros sucessos de Zé Keti

Zé Keti 1973, Itamaraty (LP-2118)
DISCO É CULTURA

Zé Keti 1973

FICHA TÉCNICA
Durval Ferreira (produção e direção artística)
Luiz Pessanha (capa)
Harry Zuckermann (coordenação geral)


Considerações finais

Espero que você tenha gostado desse post com o álbum de Zé Keti interpretando um repertório de muitos clássicos do samba, lançado em 1973 pelo selo Itamaraty. Se assim for, encorajo você a se inscrever na newsletter do blog, abaixo. Ao informar seu email, você receberá todas as novas publicações do blog automaticamente.

Você também pode obter atualizações dos posts mais recentes, agregando o RSS do blog a seu leitor de feeds ou seguindo-me no Twitter. Quer fazer alguma observação sobre o álbum? Deixe-nos saber na área de comentários abaixo 🙂 Para fazer uma BUSCA no blog, clique nesse link. Forte abraço, Marcelo.